07.04.2020 | 07h59


OPINIÃO / WILSON SOARES FUAH

Raízes cuiabanas

É fácil ser feliz em Cuiabá, basta desarmar os preconceitos e entender que ao desembarcar por aqui,

Cabe a todos nós que nascemos em Cuiabá, assumir o compromisso pela continuidade das raízes fincadas nesta terra quente e caracterizada pela cultura dos nossos antepassados.

A transformação de Cuiabá, é vista diariamente, principalmente pela chegada de milhares de brasileiros que chegam por necessidade ou opção de crescimento junto com a cidade, pois aqui, realmente a cada amanhecer o sol nasce para todos e o calor humano é uma forma especial de oferecer infinitas opções para aqueles que querem realmente prosperar.

Com a união através dos amores, nascem novas gerações de cuiabanos, com mistura de raças, de emoções e sonhos, nascendo uma nova geração da pele morena, que aceita mais facilmente a força da imposição da vida da luz do sol.

O sotaque forte, hoje está perdendo espaço e com o passar do tempo e ficará apenas nos registros literários, o som vindo pelas vozes do linguajar cuiabanês é a melhor forma de identificar um cuiabano, por isso, temos que preservá-lo e mesmo com todo esse preconceito contra o nosso sotaque, talvez porque seja único e inconfundível, mas e dai?

Devemos lutar para manter esse grande inventário cultural de um povo que ficou segregado por séculos em função da distância dos grandes centros do país; o rio era o único meio de integração com o resto do país, o que proporcionou o que restou apenas a aproximação com os países andinos, por isso, se explica esse som nasal pronunciado fortemente pelo cuiabanos, que não respeitou os Limites Imaginários do Tratado de Tordesilhas, e o som das vozes são caracterizado ao pronunciar “AO” no final da frase troca-se por “ON” igual à pronúncia sul americanizada.

Aqui as pessoas não viram a língua para expressar o “L” no meio das frases, e às vezes é trocado pelo “R” e no final frase o “L” fica ausente, vejam os dizeres que se ouviam pelas ruas e nas casas cuiabanas:

“ Vooootê, feio pra besteira”;

“Agóóó o que, que é iiiisse, amigon”;

“Esse cooon é um anima bonnnnnnn”;

"Levooou quem trouxe, lugar de gente feio é da onde veio ".

Mas, Cuiabá é a cidade onde todos os caminhamos se cruzam no ponto central da América do Sul, onde os sons das vozes, também se misturam e podemos ouvir as exclamações vindas de outras plagas, como:

- o “Orrrrrra Meu” - dos paulistas,

- o “Barbaridade Tchê” – dos gaúchos;

- o arre-égua, Vixe, Ôxe e Êta – dos nordestinos.

Cada cidade tem suas particularidades, quando você não suportar mais o cenário cultural cuiabano e perceber que não suporta mais esse calor maravilhoso, e que não aprecia o gosto pelos sabores da gastronomia cuiabana e sentir que os prazeres festivos desta cidade estão a atrapalhar a sua tristeza, se assim pensa: a melhor solução é buscar novos horizontes, pois você está vivendo em lugar errado.

Para aprender a amar Cuiabá, requer tempo para entendê-la:
1 - porque o seu destino o trouxe para cá;
2 - porque está aqui, pois para ficar aqui tem que desenvolver o desejo de assumir o erro de ter vindo sem ser convidado;
3 - e, acima de tudo meditar sobre a hospitalidade que lhe é oferecida e as múltiplas opções para ser feliz, pois Cuiabá é a cidade que aceita a todos sem preconceito, oferecendo as facilidades para que todas as pessoas possam prosperar e crescer.

Para promover as mudanças que queremos, devemos começar por nós mesmos, é simples, não se muda uma cidade só pela visão do desejo individual de quem acabou de chegar. O importante é integrar-se e abrir a mente para receber as influências da cultura que não é a sua, saiba que são considerados como cidadão do mundo, aqueles que pesquisam e aceitam a cultura por onde andam, por necessidade ou opção.

É fácil ser feliz em Cuiabá, basta desarmar os preconceitos e entender que ao desembarcar por aqui, já foi aceito por antecipação

Vocês que chegaram agora, e pretendem ficar para sempre, é só começar a esparramar seus pedacinhos por aqui, e logo-logo verão Cuiabá com os olhos da cuiabanidade, e ao constituir família, verá os seus pedacinhos (filhos e netos), que farão de vocês um “quase cuiabano” e a partir da força da mistura, sempre haverá alguma coisa de familiar por perto de você, de repente quando você menos esperar, Cuiabá já faz parte da sua vida e a sua história estará misturada com a história de Cuiabá.

Feliz aniversário Cuiabá.

Wilson Carlos Fuáh – É Especialista em   Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas.

Fale com o Autor: wilsonfua@gmail.com

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
30.05.20 09h10 »  Saindo do controle
30.05.20 09h01 »  Dia Mundial da Energia
30.05.20 08h55 »  A hora do enfrentamento
30.05.20 08h51 »  Estado e o verde-amarelo
29.05.20 08h34 »  Auto exercício de imagem
29.05.20 08h32 »  Coronavírus e o meio ambiente
29.05.20 08h29 »  Saindo do controle
29.05.20 08h25 »  O outro lado do que não são
28.05.20 08h32 »  Abuso infantil não é brincadeira
28.05.20 08h30 »  Covid-19

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO