18.10.2019 | 07h55


FRANCISNEY LIBERATO

Qual é a sua rota de fuga?

Um dos maiores desastres que o ser humano vivenciou na atualidade foi o tsunâmi

Estamos sujeitos a todos os tipos de desastres na vida. A atitude correta é ter disponível um plano de fuga, para sair com vida e esperança desse caos.

Um dos maiores desastres que o ser humano vivenciou na atualidade foi o tsunâmi, que nada mais é do que um terremoto no mar, formando ondas gigantes que são capazes de devastar o que está ao redor.

O evento ocorreu em vários países asiáticos, atingindo sobremaneira a Indonésia. As ondas gigantes ceifaram a vida de muitas pessoas. A Tailândia, também sofreu os efeitos desse fenômeno, atingindo em cheio as ilhas de Koh Phi Phi.

O site “Essemundoenosso” descreve com propriedade o acontecimento: “Era manhã de 26 de dezembro, faltavam poucos dias para a chegada de 2005, quando as pessoas perceberam que o mar de Phi Phi havia recuado muito. Ninguém imaginava que aquilo seria sinal de um desastre que estava prestes a acontecer. Muitos turistas avançavam pela areia na área que antes havia água e alguns moradores tentavam puxar seus barcos. De repente, uma onda gigante surgiu e fez desaparecer milhares de pessoas”.

Em outubro de 2019, conheci a famosa ilha, um lugar belíssimo, paradisíaco e dono de uma beleza fora do comum, rodeado por praias encantadoras, com um clima agradável e bem distante da agito suburbano.

Uma curiosidade sobre a famosa ilha de Koh Phi Phi e que exalta ainda mais sua importância e exuberância no cenário mundial, é pelo fato de ter sido a escolha para a gravação do filme “A praia”, protagonizado pelo ator Leonardo DiCaprio.

Em uma das noites em que estive nesse paraíso, presenciei, na madrugada uma chuva forte, com muitos trovões e raios. Acordei assustado pelo impacto da chuva e barulho que eram aterrorizantes. Ao mesmo tempo, os meus pensamentos ficaram vagando e lembrando do episódio do tsunâmi, e dando ênfase de que ali era uma ilha isolada, no Oceano Índico. Na minha mente surgiam perguntas como: “Se acontecer um desastre aqui, qual será a minha rota de fuga? Para onde vou? Como fugirei?”.

Ao mesmo tempo, fazia um paralelo com a vida cotidiana e nos tsunâmis que temos enfrentado em nossa vida. Quantos desafios temos que passar diariamente para ter uma vida melhor. Quem sabe hoje o seu tsunâmi seja a falta de emprego, ou quem sabe ausência de dinheiro para comprar leite para suas crianças, ou talvez, o seu relacionamento com o seu cônjuge está sendo levado pelas ondas, quais são os seus tsunâmis?

Problemas e dificuldades são inevitáveis em nossas vidas. As ondas chegam a todo instante para você e para mim. Disso nós não temos nenhum controle, o máximo que podemos fazer é indicar sinas de alertas e se preparar para o que pode acontecer de pior.

Nas ilhas Phi Phi, existem várias placas indicativas informando para que, caso ocorra um novo tsunâmi, as rotas de fuga, sirvam com a finalidade de evitar que o desastre cause danos maiores.

Uma vida tranquila e pacífica não está imune a um futuro desastre.

A minha pergunta para você é: quando tudo vai mal na sua vida, qual é o seu plano de fuga? Como traçar objetivos para sair do tsunâmi? Para onde você vai quando está sozinho e sem esperança?

A minha rota de fuga já está pronta, e todas às vezes que me sinto só, triste, com problemas e dificuldades, peço socorro ao meu Deus. Ele tem me livrado de muitos transtornos e tem me socorrido quando estou afundando nas grandes ondas da vida. Deus sempre está disposto a lançar o seu bote salva-vidas para me ajudar. No livro de Salmos 91:2 é reafirmado esta rota de fuga: “Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei”.

Como a vida do ser humano é desafiadora a todo instante. Não sabemos quando poderá ocorrer novos tsunâmis. Se a sua opção é viver, organize uma rota de fuga, para quando sobrevier momentos como esse, você possa se livrar das grandes ondas da vida. A minha rota de fuga está pronta, e a sua, quando irá fazer?

Francisney Liberato Batista Siqueira é secretário de Controle Externo, auditor público externo do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
14.11.19 10h43 »  Acidentes caseiros depois dos 60 anos
14.11.19 07h55 »  A fantástica evolução dos ruminantes
14.11.19 07h55 »  Costumes cuiabanos I
14.11.19 07h55 »  Dia Mundial do Urbanismo
14.11.19 07h55 »  Como então fazer a prevenção?
13.11.19 08h23 »  O mais democrático dos poderes
13.11.19 07h55 »  Expectativa coletiva
13.11.19 07h55 »  Não é suficiente instruir apenas
13.11.19 07h55 »  Mundo novo, novo mundo
13.11.19 07h55 »  O STF e o VAR

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO