24.02.2020 | 07h55


OPINIÃO / WILSON SOARES FUAH

Propaganda extemporânea

Fazer propagandas antes das convenções dos partidos, é propaganda extemporânea.

Neste ano de 2020, é um ano eleitoral atípico, e podemos dizer que é bi eleitoral, porque teremos duas eleições em função da eleição suplementar para  Senador.

E, assim haverá muito recursos financeiros envolvidos nas campanhas deste ano, e as propagandas eleitorais extemporâneas já começaram, é só andar pela cidade que vemos adesivos nos vidros traseiros dos carros de luxos com os nomes de alguns vereadores e também, nomes de postulantes ao cargo de vereador por Cuiabá e de Senador por Mato Grosso.

Fazer propagandas antes das convenções dos partidos, é propaganda extemporânea, é abuso do poder econômico, é caixa 2, pois não tem como comprovar a origem do recurso financiador da propaganda.

Todos os anos essas propagandas disfarçadas acontecem, e as autoridades responsáveis pela fiscalização nada fazem, esse crime é corriqueiro e recorrente em todos os anos de eleição.

Isso, terá um fim quando os responsáveis viabilizarem um convênio com  a Prefeitura Municipal de Cuiabá,  e utilizar as câmeras potentes da SEMOB para localizar os veículos, e em seguida fazer a busca e apreensão do veículos, e que automaticamente chegará no proprietário, e assim, facilmente  localizará  o responsável pela propaganda extemporânea, podendo aplicar  as multas e penas legais, e no caso de ser vereador, promover a cassação do cargo eletivo. 

A desonestidade começa já com a campanha extemporânea, veja  bem, como o seu candidato montou suas estratégias para vencer as eleições, será que a ética passa longe da sua campanha ou os seus procedimentos são legais?   

Infelizmente o grande painel político que nos apresenta, faz-nos  vivermos um momento crítico de crise de esperança, porque os eleitores, depois de tantas esperanças frustradas, têm medo de nutrir novas esperanças e chegam mesmo a ter medo de votar e ser cúmplice dos atos futuros de uma pessoa que lhe apresentou como o melhor represente, e parecia que tinha o pensamento igual ao seu,  mas logo na primeira ação, torna-se igual aos demais.

Estamos vivendo na velocidade da instantaneidade, despreocupados com os resultados, as decisões estão desprovidas de consciência, estão indo para além do pensar. 

Mas, na verdade estamos vivendo a síndrome do pensamento parado, completamente desativado, as pessoas não querem nem votar, imagine saber escolher.   E diante desse torpor mental, algumas pessoas são levadas a votar em candidatos sem iniciativa e sem métodos de mudanças, aqueles que são acostumados a usurpar   do poder público, e que sempre adotaram a filosofia de esperteza acumulativa e individualista.

Contra as teses das lorotas dos políticos, você deve aplicar a  sua antítese, através da sua escolha consciente e inteligente, expurgar os políticos desonestos que vivem no mundo das espertezas, e quem sabe um dia poderemos  ter orgulho e bater no peito e dizer: o meu candidato honra o meu voto.                   

Wilson Carlos Fuáh – É Especialista em   Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas.

Fale com o Autor: wilsonfua@gmail.com    

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
05.07.20 07h55 »  MT liderando incêndios florestais no país!
05.07.20 07h55 »  PL 2.630/2020
05.07.20 07h55 »  O socorro vem de onde menos se espera
04.07.20 07h55 »  Meu pai Lenine
04.07.20 07h55 »  Acabou o suspense das eleições
04.07.20 07h55 »  Estamos em guerra contra o mesmo inimigo
04.07.20 07h55 »  Preservar e produzir não são antagonismos
03.07.20 07h00 »  Pandemia e Tecnologia
03.07.20 07h00 »  O falso positivo
03.07.20 07h00 »  Salvador da pátria na ficção

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO