06.10.2019 | 07h55


WELLINGTON FAGUNDES

Outro caminho para o Brasil

Estima-se que a navegação por cabotagem pode ser até 30% mais barata que o transporte rodoviário.

No dia 1º participei, em Brasília, na qualidade de expositor, do encontro sobre "Navegação de Cabotagem – Como o Brasil Vai Desenvolver a 'BR do Mar", com a presença de inúmeras autoridades e operadores do setor. O debate sobre esse tipo de transporte, que se realiza entre os portos do país e pela costa brasileira, ocorre em um momento muito propício, agora que o Brasil aguarda a publicação, pelo Poder Executivo, de Medida Provisória que remova os atuais entraves ao desenvolvimento de setor.

Os benefícios econômicos e sociais da navegação de cabotagem são expressivos. Ela é menos poluente, já que um navio emite quatro vezes menos carbono por tonelada transportada do que um caminhão. Também diminui o congestionamento nas estradas: uma única embarcação de 6 mil toneladas transporta a mesma carga que 172 carretas de 35 toneladas.

Hoje em dia, as rodovias concentram 63% do escoamento da produção, enquanto o modal aquaviário movimenta apenas 13%, aí incluídos os segmentos hidroviário e de cabotagem. Para efeitos de comparação, na China, mais da metade de toda a produção é escoada pelo modal aquaviário.

Estima-se que a navegação por cabotagem pode ser até 30% mais barata que o transporte rodoviário. Na prática, o uso dessa modalidade de transporte significa oferecer itens mais baratos para os clientes, aumentar a competitividade e a lucratividade — melhorando o posicionamento de mercado.

Vale destacar que o Brasil foi premiado pela natureza e pela História com um litoral que se estende por quase 8 mil quilômetros — ou 10 mil, se acrescentarmos o trecho até Manaus - nossa Amazônia Azul.

Outra vantagem adicional do estímulo à navegação como modal de transporte pode ser medida no que classificamos como “grave situação”, que são os roubos e furtos de cargas na estrada. Os níveis alarmantes tem feito com que as empresas busquem alternativas para o transporte ou invistam mais sem segurança, aumentando os custos operacionais (que são repassados a nós, consumidores).

Por isso, o estímulo ao uso do modal hidroviário – incluindo a cabotagem, se faz necessário. Não se trata, obviamente, de privilegiar este ou aquele modal, mas de ajudá-los a se complementar de maneira mais eficiente, permitindo ao Brasil — repito — uma logística mais equilibrada. E, por consequência, redução de custos, que deve refletir diretamente na vida da população consumidora.

Para tanto, se faz necessário ultrapassar o empecilho da falta de investimento — tanto do Governo, quanto das empresas que ainda não exploram essa opção. E isso se dará com regras claras e segurança jurídica, a partir de um diálogo produtivo entre o mercado, o Congresso, o Poder Executivo, as agências reguladoras e os órgãos de fiscalização e controle para desatar os nós burocráticos, prestigiar o empreendedorismo e, assim, turbinar a criação de mais e melhores empregos para os trabalhadores do Brasil

Wellington Fagundes é senador por Mato Grosso e presidente da Frente Parlamentar Mista de Logística e Infraestrutura

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
19.10.19 07h55 »  O fim do Estado
19.10.19 07h55 »  A fábrica
19.10.19 07h55 »  Dependência digital
19.10.19 07h55 »  Mão de obra já era!
18.10.19 07h55 »  Qual é a sua rota de fuga?
18.10.19 07h55 »  Quem faz o pão
18.10.19 07h55 »  Best-seller
18.10.19 07h55 »  Bom Sucesso
17.10.19 14h32 »  Exemplo de político municipalista
17.10.19 08h40 »  Nada de novo no front

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER