14.07.2020 | 08h31


OPINIÃO / LICIO ANTONIO MALHEIROS

Operação 'Juno Moneta'

Imbróglio está armado, vivemos em nosso país um processo de depuração unilateral

O imbróglio está armado, vivemos em nosso país um processo de depuração unilateral, através da criação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, recentemente instalada; sendo eleito presidente o senador Ângelo Coronel (PSD-BA), indicada como relatora a deputada Lídice  da Mata (PSB-BA).

O requerimento para a criação da CPI foi feito pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP) recebendo o apoio de 276 deputados e 48 senadores.

A chamada em questão nos remete a operação realizada no dia (10) sexta-feira, em São Paulo em um esquema milionário de lavagem de dinheiro, segundo o Ministério Público, a operação foi realizada em parceria com a Polícia Civil e Receita Federal, na qual foram presos dos empresários ligados ao Movimento Brasil Livre (MBL), Alessander Mônaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso, (conhecido como Luciano Ayan), os mesmos, são investigados por lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio.

Esta operação chamada de “Juno Moneta” faz referência ao antigo templo romano onde as moedas eram cunhadas, tendo como signatário do mesmo, Ministério Público, Polícia Civil e Receita Federal.

Segundo as investigações obtidas, indicam que os envolvidos construíram efetiva blindagem patrimonial composta por um número significativo de pessoas jurídicas, tornando o fluxo de recursos extremamente difícil de ser rastreado, inclusive utilizando-se de criptoativos (são uma representação digital de valores transacionados, com as criptomoedas) e “interpostas pessoas”.

Obviamente, ninguém quer ser pai de filho feio, explico. O Movimento Brasil Livre (MBL), tendo como um dos seus idealizadores, Kim Kataguiri, eleito deputado federal por São Paulo em 2018, sendo o quarto candidato mais votado, no primeiro turno, colado em Jair Messias Bolsonaro, que foi para o segundo turno, contra Fernando Haddad (PT).

No segundo turno da eleição de 2018, o mesmo já eleito, com uma votação expressiva, quarto candidato, mais votado no estado de São Paulo; dai por diante, ele começa a mostrar suas garras, dizendo “Voto no Bolsonaro, mais é voto útil. Não é o cenário ideal, existem pessoas mais preparadas, mas infelizmente é o que a gente tem”, dizer o que ele disse, é uma questão de foro íntimo, até ai tudo bem.

Agora, com a deflagração da operação “Juno Moneta” com as prisões de Alessander Mônaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso, (conhecido como Luciano Ayan), os mesmos, segundo apurações são membros do Movimento Brasil livre (MBL), tanto é verdade que em 2018, o convite de uma aula pública com Luciano Ayan, nome fictício de Carlos Augusto de Moraes Afonso, aparece em um folder que tem o nome do (MBL).

Pare o mundo, quero descer!

Licio Antonio Malheiros é geógrafo.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
07.08.20 07h00 »  Upcycling – o que é?
07.08.20 07h00 »  Alimentos aliados do cérebro
07.08.20 07h00 »  Texas prioriza VLT
07.08.20 07h00 »  O famigerado 'pum' dos bovinos
06.08.20 07h50 »  Perspectivas para um futuro educacional
06.08.20 07h47 »  M de Maria
06.08.20 07h44 »  O prisioneiro
06.08.20 07h00 »  O que 'ser'em 2020
05.08.20 14h59 »  Posso cancelar a matrícula 2020 do meu filho e voltar apenas em 2021?
05.08.20 08h07 »  A eficiência na administração pública

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO