24.11.2011 | 08h47


WILSON CARLOS FUA

O dia do atleta



A vida sorri para aqueles que através do seu talento no mundo da bola  trouxeram alegrias e emoções ao povo desta terra.  Eles que desfilaram seus dribles e gols, no palco do gramado do Dutrinha e  lá ficaram  registrados nas lembranças do povo cuiabano, a décadas de ouro do futebol matogrossense, anos 60, 70 e 80,  nesses trintas anos o futebol no Centro da América do Sul, fez com que o Dutra virasse Dutrinha, ficou pequeno,  e Ivo de Almeida o mais laureado narrador de futebol de Mato Grosso, gritava nos microfones,: “Cuiabá precisa de um templo do futebol para sua redenção, Campo Grande tem Estádio e Cuiabá tem Futebol”.

De tanto gritar, os Deuses do futebol fizeram ouvir-se, e  foi construído o Estádio Governador Fragelli, o que Ivo de Almeida profetizava não aconteceu, porque será?

Hoje o número de torcedores parece até que diminuiu.

Todo dia 15 de novembro  comemorava-se  o dia dos Ex-Jogadores de Futebol, que informalmente foi idealizado pelo Antonio Arruda (totó) Gláuco Marcelo e Darcy Avelino, com o intuito de reunir os jogadores que fizeram a história do Futebol Matogrossense, e assim foi, com muita dificuldade,  mas contando com algumas contribuições, inicialmente do Newton Fiorenza, cedendo os salões da AABB, empresários Orlando Apoetia e  Henrique da Tarumã que muitas vezes  cedeu as instalações do galpão de sua empresa na Fernando Correa e outros.

Mas a festa foi crescendo até a sua 11ª edição, e diante do custo muito alto, os idealizadores passaram o projeto ao Governo do Estado, através do Vice-Governador –“Chico Daltro”, para que o dia 15 de novembro fosse institucionalizado  no dia do Atleta de Mato Grosso, e que todos os anos passasse a ser o dia  da festa daqueles que fizeram a alegria do povo, e que todos os Atletas fossem homenageados com a entrega de Medalhas de “Honra ao Mérito do Governo do Estado de Mato Grosso”,  que é uma solenidade simples, mas muito emocionante para todos aqueles que receberam o reconhecimento da sua técnica e do seu talento desenvolvido por muitos anos, e às vezes com muito sacrifício para a grandeza e crescimento do esporte do nosso querido Estado de Mato Grosso.

Muitos que não participaram das décadas de ouro do futebol de Mato Grosso, que chegaram agora por aqui, não sabem que de  fato a felicidade que se completa com as coisas mais simples da vida, que é  o reconhecimento.  A Medalha é apenas um símbolo físico. A emoção do reconhecimento  nasce de dentro pra fora e para quem é feliz ao saber dar valor nas pequenas coisas. Melhor dizendo nas mínimas coisas e em especial aquelas que são invisíveis aos olhos.

O atleta é assim, um ser diferente e especial,  acima  de tudo, porque nasceram com o talento que empolga multidões, e apresenta a sua técnica inicialmente pelo puro  prazer, antes de quaisquer recompensa,  ele nasceu com esse dom, e por não ter uma orientação profissional, alguns  chegam a fazer sua independência financeira, mas a maioria ficam por ai, no esquecimento e vivendo a solidão de não ser reconhecido, vivendo às vezes do vício do alcoolismo, muitos terminam a vida na miséria do desemprego ou subemprego.

Aqui, vou falar mais sobre o futebol, e sobre uma época que fiz parte do elenco do glorioso Mixto Esporte Clube, e fiz minha pequena historinha no futebol matogrossense, participando do Clube Atlético Matogrossense, que foi o primeiro clube deste estado a disputar a famosa Taça São Paulo de Junior, na sua 5ª edição no ano de 1973.

Por  eu ser do futebol, é desse esporte que vou falar:  o dia 15 de novembro, é um dia especial, dia em que nasci,  nesse dia de festa,  lá na reunião dos atletas cada um tem a sua história, nesse dia passa um filme na cabeça de cada um dos presentes, por isso que esse dia transformou no dia do reencontro, para mostrar velhas fotografias e contar os “causos”, das grandes vitórias e dos grandes momentos.

Relembrar as tardes de domingos do velho Estádio Eurico Gaspar Dutra, homenagem ao único cuiabano Presidente da República, e acima de tudo  é dia de celebrar a todos aqueles  que  nasceram  com talento e  que fizeram da sua vida uma multiplicação  desses talentos internos em dons.

É o dia  de lembrar dos Grandes Narradores (Ivo de Almeida, J.Márcio e Márcio de Arruda) dos Comentaristas (Roberto França, Edpison Morbek, Antero Barros e Willian Gomes) dos entrevistadores de campo (Lino Pinheiro, Macedo Filho, Eduardo Saraiva, Laércio de Arruda  e Dorileo Leal); falar dos juízes e bandeirinhas ( Airton Franco, Cabo Pio, Chupa Palha e Camarinha, Civis das Neves,  Antonio Ângelo, Cipriano Gomes e outros); dos gols feitos e perdidos dos grandes artilheiros (Bife, Valtinho, Bianchi, Fião, Filinto, Ferreira, Adilson, Gonçalves, Gebara e Tostão); dos grandes goleiros e dos frangueiros. (Saldanha, Fulepa, Julio César, Valter, Mão de Onça, Zé Roondonópolis e Jonil) e  dos Meias Clássicos: (Ruiter, Franklin, Pastoril, Prof. Poxoréu).

É um dia  cheio de alegria e festivo, quantas emoções nos olhos de cada um ao encontrar velhos amigos, são palavras e abraços de reencontros fazendo transfusão de felicidade:

Aquele não é o Joarid?

O  Valtinho está assim mesmo.

O Fião com a sua ginga e seu chapeuzinho.

O  Felizardo sempre em forma, com o seu cavanhaque agora já tingido de branco.

Que lembrança linda ver o Ruiter e o  Rômolo entrando juntos como nas tardes de domingo, com  Dutrinha lotado, dando alegria da galera mixtensse.

O grande goleiro Fulepa, com o seu largo sorriso.

O Almiro um dos cuiabanos que fizeram sucesso jogando no Santos de Pelé e no exterior.

Um dos grandes homenageado o  Beto!

Beto um dos poucos cuiabanos que fez sucesso com a camisa dos grandes clubes brasileiros e no exterior (Botafogo; Flamengo; Vasco; Grêmio; Nápoli e pela Seleção Brasileira).

E aquela pergunta que ninguém quer fazer, sobre os jogadores que passaram para o outro lado da vida, mas é  vida que segue.

Foram homenageados chefe de torcida como Éi-Éi do Dom Bosco e Nhá Barbina do Mixto, vários Presidentes de Clube, Massagista ( Carlito e Bochecha), Médicos(Godói e Guto) e Presidentes de Federação  e Atletas de várias Federações.

A partir da agora será assim, o governo abraçou o projeto e o esporte como um todo terá o seu espaço e a turma da bola terá o seu cantinho e por força da própria afinidade vão se agrupando cada um com o seu espaço, com a sua história e com o seu sentimento.

Fica aqui os nossos parabéns ao Antonio arruda (Totó), Glauco zagueiro Gentleman nos gramados e também na vida, e ao Darcy Avelino grande Lateral Esquerdo, porque foram eles que fizeram o papel de  empacotadores de felicidade e que foram usufruídas nas 11 reuniões.  Lá vimos ex-jogadores, com o corpo gasto, cansado, arrastando-se quase parando, mas a felicidade deles parece que estava atrás de uma juventude perdida, de um ideal não concretizado, de uns minutos a mais para viver na UTI da felicidade. Eles fizeram o futebol no seu tempo,  vestiram as camisas dos seus clubes com alma, e não apenas com as palavras suspensas: quase; talvez; quem sabe um dia e depois, com o  coração atormentado pelo “se”: se eu tivesse chutado aquela bola, se estivesse feito aquele gol; se eu fosse até a linha de fundo; se não amasse o futebol que seria da bola?

Mas o tempo passa e a imagem  de ídolo foi  escorrendo por entre os dedos, porque o  Futebol parece que foi feito de areia da praia, nos diz: agora é tarde!

Ao olhá-los, parece que cada um na sua emoção,  mesmo velho, nos seus semblantes está presente  a alegria do reconhecimento da medalha que agora  balança para sempre em seu peito, até alguns queriam  decididamente me dizer:

- Eu não gosto de pausas.

- Dê-me uma bola que eu tenho fome de viver. 

Houveram e haverão muitas reclamações pelos critérios da escolha dos homenageados,  mas foi a primeira de muitas que virão, seria impossível todos serem homenageados de uma só vez na primeira festa, o mais importante  é que esporte de Mato Grosso marcou posição e ficará registrado na história com o grande acervo de fotos  daqueles que fizeram a história do Esporte, agora tudo está  sendo micro-filmado, e essa data de 15 de novembro já foi  proclamada o dia do Esporte de Mato Grosso. 

Economista Wilson Carlos Fuá – É Especialista em Administração Financeira, Recursos Humanos e Ex-Jogador do Mixto Esporte Clube.

Fale com o autor: fuacba@hotmail.com

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Aurélio Cintra  25.11.11 07h11
PARABÉNS GRANDE FUÁ! ESTOU ADMIRADO, COMO É QUE VOCÊ GUARDA EM DETALHES OS NOMES DAS PESSOAS! E O MAIS EMOCIONANTE É QUE QUANDO LEMOS PARECE QUE RETORNAMOS AO PASSADO! MARAVILHOSA HOMENAGEM! OS CUIABANOS MERECEM!

Responder

0
0

Confira também nesta seção:
28.01.20 08h29 »  Seu bebê está pronto para usar uma tela?
28.01.20 08h25 »  Procedimento estético
28.01.20 08h22 »  Tragédias da impunidade
28.01.20 08h20 »  Nem Mário, nem João
27.01.20 11h00 »  Educação sem oportunismo
27.01.20 08h32 »  Muito além de uma pirralha
27.01.20 08h28 »  O fim da piracema
27.01.20 08h26 »  Greta, Witzel e Alvim
27.01.20 08h24 »  Reforma sem previdência
26.01.20 07h55 »  Hanseníase tem cura e quando não tratada pode deixar sequelas

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO