27.02.2020 | 07h55


OPINIÃO / VICTOR MAIZMAN

MT e a Reforma Tributária

Difícil acreditar que no prazo tão exíguo possa o Congresso chegar num consenso

A comissão mista do Congresso que analisará a reforma tributária foi instalada, com as presenças do presidente do Senado e da Câmara. O colegiado é formado por 25 senadores e 25 deputados, que têm a tarefa de produzir um texto único sobre o tema nas duas Casas.

Os parlamentares terão o prazo de 45 dias para consolidar as propostas que tramitam no Congresso.

Difícil mesmo acreditar que no prazo tão exíguo possa o Congresso Nacional chegar num consenso para tratar de questão por demais de complexa.

Primeiro porque existem duas Propostas de Emenda Constitucional tramitando sobre o assunto, ou seja, uma em cada casa do Congresso Nacional, com textos de difícil consenso.

Segundo, porque para que a Emenda Constitucional seja aprovada, será necessária que a proposta seja votada em dois turnos, tanto na Câmara dos Deputados, como também no Senado Federal 

Então a convergência deve estar bem definida para que seja aprovada uma reforma constitucional, mormente a tributária.

De fato, as propostas em questão envolvem interesses divergentes da União, dos Estados e dos Municípios, porque nenhum dos entes políticos quer perder arrecadação.

E, além da divergência de interesses dos aludidos entes, também há embate entre os próprios Estados.

No caso os Estados mais desenvolvidos aprovam a proposta que impede que os mesmos concedam incentivos fiscais.

Todavia, os Estados onde tem uma logística desigual e mercado interno consumidor pífio comparado com os Estados do Sul e Sudeste, não s desenvolvem sem uma política de atração de investimentos através de incentivos fiscais.

Desse modo, os nossos parlamentares devem estar atentos a essa questão e não ser convencidos a votar à favor dos Estados desenvolvidos e contrariamente aos interesses de Mato Grosso.

Aliás, como sempre tenho dito, a Reforma Tributária não pode tratar os desiguais de forma igual.

Diante de tantas divergências, me parece que impor um prazo exíguo para tratar do assunto é temerário, ainda mais se tratando de reforma de tamanha importância que vai impactar diretamente e, principalmente, no desenvolvimento do nosso Estado.

VICTOR HUMBERTO MAIZMAN é advogado e consultor jurídico tributário.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
05.07.20 07h55 »  MT liderando incêndios florestais no país!
05.07.20 07h55 »  PL 2.630/2020
05.07.20 07h55 »  O socorro vem de onde menos se espera
04.07.20 07h55 »  Meu pai Lenine
04.07.20 07h55 »  Acabou o suspense das eleições
04.07.20 07h55 »  Estamos em guerra contra o mesmo inimigo
04.07.20 07h55 »  Preservar e produzir não são antagonismos
03.07.20 07h00 »  Pandemia e Tecnologia
03.07.20 07h00 »  O falso positivo
03.07.20 07h00 »  Salvador da pátria na ficção

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO