21.02.2020 | 07h55


OPINIÃO / EDSON DA SILVA GIRIPOCA

Medicina no interior

É preciso fortalecer o interior, é no interior que vive o cidadão.

O Brasil definitivamente não precisa "importar" médicos sendo a profissão um sonho da maioria dos brasileiros. Demanda para cursar Medicina é evidente que há, o que é preciso é levar o curso para o interior, abrir novas vagas.

Diamantino (190 km de Cuiabá), por exemplo, tem toda estrutura da Unemat que já oferta o curso de Enfermagem e com mais investimento pode apropriar da localização estratégica para formação de novos médicos, assim, atenderá uma grande carência do Estado, o Médio Norte está numa posição privilegiada.

Tendo em vista o tempo para conclusão do curso, o célere investimento em novos polos se faz mais que necessário. O problema da falta de profissionais no Centro Oeste, Norte e Nordeste consegue facilmente ser sanado com o próprio talento, não precisando atrair profissionais de fora que dificilmente se adaptam à realidade local.

É preciso fortalecer o interior, é no interior que vive o cidadão. Portanto, uma solução definitiva para falta de especialidades médicas é investir na formação justamente nas localidades que mais padecem pela falta dos profissionais.

Em diversas conversas junto ao governador Mauro Mendes (DEM), sempre defendi que Mato Grosso, por meio da Unemat, pode ser o pioneiro na luta pela efetiva descentralização do conhecimento. O mesmo deve ocorrer com os cursos de Agronomia, Zootecnia, Gastronomia, Odontologia, Psicologia entre outras áreas do conhecimento que para o cidadão no interior ainda é uma realidade distante.

A necessidade de parceria com outros países para atrair profissionais precisa ter início e a perspectiva de um final, mas que só será possível com o avanço da formação do talento local. Ou seja, o curso de Medicina tem que estar mais acessível e além do limite territorial das metrópoles.

Mato Grosso pode fazer história além do agro e conquistar o espaço de destaque que Cuba assumiu enviando profissionais para cá. Somos referência ao mundo na área médica e de pesquisa, temos que ser também na solução de criar oportunidades nos diversos rincões do país.

O Brasil tem tamanho continental, portanto, precisa criar uma hipérbole de ação e solução. Nunca esquecendo que saúde tem pressa, muita pressa.  

Edson da Silva Giripoca (PSD), presidente da Câmara Municipal de Diamantino

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
01.04.20 08h32 »  E o ser humano?
01.04.20 08h25 »  Renegociação das locações
01.04.20 08h21 »  Covid-19
01.04.20 08h19 »  Sem chão
31.03.20 08h38 »  Todas e todos
31.03.20 08h34 »  Pandemia e holística
31.03.20 08h30 »  O que conta são as atitudes
31.03.20 08h26 »  Urbi et Orbi
30.03.20 08h01 »  Sobre a pandemia de Coronavírus (COVID-19) em Mato Grosso
30.03.20 08h01 »  O pulso ainda pulsa

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO