21.11.2019 | 08h14


MICHELLE BARROS

Machismo no ambiente de trabalho

A maioria sofre os mais variados abusos calada, pois precisa do emprego

No best-seller “O mito da beleza”, da autora Naomi Wolf, num dos capítulos ela trata sobre como as mulheres sofreram e ainda sofrem com o machismo nas relações de trabalho. Isso vem desde muito tempo, quando mulheres eram mandadas embora de seus empregos por terem envelhecido e “perdido a beleza”, enquanto o mesmo não funcionava para os homens, que mesmo com o passar dos anos, continuavam em seus cargos.

Uma das histórias contadas no livro é a vivida pela apresentadora Christine Craft, a qual foi demitida da televisão sob a alegação de que era “velha demais e muito pouco atraente”; outra é a Hopkins, que teve uma participação societária recusada porque deveria aprender a caminhar, falar e se vestir “com mais feminilidade” e usar maquiagem; já a policial Nancy Fahdl foi demitida por ser “parecida demais com uma dama”; Srta. Schmidt perdeu seu emprego sob o argumento de que usava calças para trabalhar numa livraria; no caso Jeremiah vesus Ministério da Defesa, os empregadores não contratavam mulheres para um trabalho de maior remuneração no solo por ele ser sujo e isso acabaria prejudicando a aparência delas.

Na argumentação, lorde Denning dizia: “O cabelo de uma mulher é sua glória máxima [...] Ela não gosta de vê-lo em desordem, especialmente quando acabou de fazer um penteado”. Sem contar no caso Buren versus City of East Chicago, em que as mulheres tiveram de se vestir “de forma que se cobrissem do pescoço aos pés”, e sabem por quê? Porque os homens no local de trabalho eram “meio inconvenientes”. Tinham também as que precisavam comprovar com testes de gravidez que não estavam grávidas e que não pretendiam ter filhos.

Esses são alguns dos poucos relatos que a autora retrata em seu livro acerca de como ser mulher no ambiente de trabalho é difícil. Se você pensa que isso acontecia só lá em mil novecentos e bolinha, está muito enganado. Muitas mulheres passam por situações iguais ou parecidas até mesmo nos dias atuais, seja de forma sutil ou escancaradamente. A maioria sofre os mais variados abusos calada, pois precisam de seus empregos para se manterem.

Que mundo é esse em que se aceita que o homem se vista da forma que quiser, que envelheça, que não use maquiagem para parecer “mais bonito”, etc. e mulheres devem seguir regras de comportamento e beleza, até mesmo tendo que fazer parar o tempo para não envelhecerem?

Será que as feministas estão mesmo loucas por quererem direitos iguais ou será que os machistas é que não querem sair da sua posição de “superioridade”?

Mulheres, eu acredito na competência que vocês têm. Seu cabelo não te define, sua roupa não te define, sua idade não te define. Sua forma física não dita quão potencial você possui e eu preciso que você passe a acreditar nisso.

MICHELLE LEITE DE BARROS é advogada.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
06.12.19 07h55 »  Planos de saúde e tratamentos para engravidar
06.12.19 07h55 »  Doutor dos doutores!
06.12.19 07h55 »  O encontro
06.12.19 07h55 »  A democratização da gestão escolar
05.12.19 08h25 »  A pauta de sociopatas
05.12.19 08h21 »  Projeções fantasiosas
05.12.19 08h19 »  Nos trilhos de Roma
05.12.19 08h17 »  Na política estadual
04.12.19 14h14 »  Orientação Profissional, qual caminho seguir
04.12.19 08h06 »  Dia Internacional da Pessoa com Deficiência

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO