04.04.2020 | 08h00


OPINIÃO / EDIVALDO DE SÁ

Irresponsabilidade presidencial

Vivemos num momento uma grave crise de saúde pública, de governabilidade e de egoísmo

Vivemos num momento uma grave crise de saúde pública, de governabilidade e principalmente de egoísmo daqueles que poderiam contribuir para um clima de unidade em torno dos esforços visando combater o COVID-19, e consequentemente passar por essa turbulência mundial, com o maior número de baixa possível, preservando vidas e respeitando o próximo.

Deveria existir um ambiente de pacto entre União, Estados e Municípios, com ações coordenadas e unificadas, e o que se percebe é completamente o oposto, as autoridades não se entendem e estão longe de consenso, a começar pelo Presidente da República, que ignorando todas as recomendações dos órgãos de saúde, profissionais da área e exemplos vindos de fora, que jogou parte da sociedade contra os prefeitos e governadores que vinham tratando a situação com a preocupação merecida.

A partir daí, o que se viu foi um festival de liberalidade que pode comprometer todo o trabalho desenvolvido até então. Governadores e prefeitos se viram acuados e resolveram afrouxar as regras impostas para evitar a contaminação do vírus.

 

A irresponsabilidade e desdém com a vida alheia, vieram também de setores da economia, que inflados pela maior autoridade política desse pais, saíram as ruas em passeata, reivindicando a abertura dos comércios, com o escopo de preservar a economia, ignorando o clamor pelo isolamento social.

É certo que estamos diante de dois grandes problemas, um de saúde e outro econômico, e os dois precisam de remédios distintos, sem que um prevaleça sobre outro, em que pese, na minha leda ignorância, a vida ser mais importante que o aperto econômico.

Num primeiro plano precisamos estancar o avanço da doença, e num segundo, esforços dos governos para evitar uma quebradeira geral, e socorrer empresas e empregados, pois estamos no mesmo barco.

Setores essenciais de fato precisam funcionar, para garantir o abastecimento, e a estes deveriam ser envidado esforços para preserva-los, e os demais desnecessários permanecessem fechados e depois que a tempestade passar concentrar esforços para salvar a economia, logo, salvamos um de cada vez.

O discurso brasileiro destoa do de todo o mundo, enquanto que as autoridades pronunciaram pelo “fique em casa” no Brasil cresce a moda do “não fique em casa, vamos para rua”, inclusive o presidente da república, que exterioriza um péssimo exemplo de insignificância da vida, seja ela qual e de quem for, de criança, jovens e idosos, ricos ou pobres.

Não existe entendimento entre representantes dos poderes, salvo raras exceções, com os setores da economia, e outros, e assistimos praticamente um cada um por si e Deus por todos.

Como chamou para reflexão o Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta para a leitura do poema “No meio do caminho” de Carlos Drummond de Andrade, temos uma pedra no meio do caminho da sensatez, prudência, responsabilidade, consciência e valor a vida.

Edivaldo de Sá Teixeira é advogado em Nortelândia, Pós Graduado em Direito Civil e Processo Civil e Pós Graduando em Compliance.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
30.05.20 09h10 »  Saindo do controle
30.05.20 09h01 »  Dia Mundial da Energia
30.05.20 08h55 »  A hora do enfrentamento
30.05.20 08h51 »  Estado e o verde-amarelo
29.05.20 08h34 »  Auto exercício de imagem
29.05.20 08h32 »  Coronavírus e o meio ambiente
29.05.20 08h29 »  Saindo do controle
29.05.20 08h25 »  O outro lado do que não são
28.05.20 08h32 »  Abuso infantil não é brincadeira
28.05.20 08h30 »  Covid-19

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO