18.03.2020 | 07h47


OPINIÃO / GONÇALO ANTUNES

Intuição, valores

A pessoa humana é diferenciada, impossível ser instrumentalizada para algo

As pessoas, conforme Kant, não podem ser meio, pois, a sua natureza é ser fim em si mesmas.

Por ter dignidade, um conjunto de valores próprios, a pessoa humana é diferenciada, impossível ser instrumentalizada para algo.

Os animais nascem com instintos de sobrevivência e, em sua esmagadora maioria, são relativamente independentes da ascendência.

Os humanos precisam compensar isso, essa deficiência orgânica, em sendo a medida de todas as coisas (Protágoras), o que à primeira vista parece paradoxal.

Avançando no tempo, de empirismo moderado ao racionalismo, não há como negar o conceito inato. Muitos conceitos são intuídos e os humanos os aplicam em casos específicos.

Outros, nada são que dedução dos primeiros, consequências de uma proposição intuída. Para o racionalismo, a intuição é um tipo de percepção racional.

O crime de homicídio, por exemplo, antes mesmo de ser positivado em códigos já é objeto de aversão pela recusa intuitiva de qualquer pessoa. Se mata por inúmeros fatores, mas, intui a proibição, funcionalmente, como se fosse um gatilho de ativação de dada situação conflitante para a mente.

Para os sofistas, as leis não são dadas pela natureza, são criações humanas. Isto parece fazer coro ao positivismo jurídico. Contudo, intuitivamente a razão, ‘a priori’, já não censura determinados comportamentos? Não se quer aqui retratar o eterno debate entre naturalistas e positivistas, não, e sim fazer breve acomodação do pensamento racionalista com a ideia de conceitos inatos.

A razão despreza os sentidos, quem não os despreza é a capacidade de compensação humana, que, ao sentir-se acuada, cria conceitos por deduções dos que já intuía de forma inata.

Sócrates ou Jesus não fugiram da morte, e não fugiram em face dos conceitos ‘a priori’ (adquiridos independentes dos sentidos) ou do corpo, da dor?

Há conceitos (tomados como ideias para efeito deste texto) fortíssimos que são até maiores que o instinto de sobrevivência nos humanos. O fugir da dor, normal nos animais, é caro aos homens e mulheres quando se joga com valores adequados a conceitos inatos. 

Quanto ao conhecimento acerca de Deus (lembre-se que o ateu nega algo, então, não nega que pessoas têm esse algo como possível, realizável), o que leva à crença, à fé? Essa disposição é intuitiva (tipo de percepção racional) ou não? Ou é produto do acaso ou mesmo de fenômenos (observáveis, portanto)?

Nada é mais forte e objeto de convicção do que aquilo que, em não sendo possível comprovar empiricamente (mundo sensível), intuí-lo.

Gonçalo Antunes de Barros Neto é formado em Filosofia e Direito pela UFMT.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
04.04.20 08h00 »  O Covid 19
04.04.20 08h00 »  Como seremos lembrados na história?
04.04.20 08h00 »  O que foi o saladeiro?
04.04.20 08h00 »  Irresponsabilidade presidencial
03.04.20 08h59 »  Efeito pandemia
03.04.20 08h53 »  Como se comunicar melhor?
03.04.20 08h49 »  Quando uma decisão legal pode se tornar letal
03.04.20 08h44 »  Viva la Muerte!
02.04.20 08h46 »  O martelo e o alicate
02.04.20 08h43 »  Sol e vitamina D

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO