08.10.2019 | 08h25


OPINIÃO / ROSANA LEITE

Importante lição

Vírus da AIDS não se contrai com simples contato. Transmissão acontece através de relações sexuais

Das muitas histórias que conheço, essa é especial. Maria, com grande amor, desempenha a função de cuidar de bebês. Não possuía conhecimento de que era soro positivo. Quando descobriu, uma avalanche de problemas passou a enfrentar.       

Todavia, consciente de que o coquetel de remédios seria primordial para a sua saúde, passou a fazer o tratamento regularmente. Anjos surgiram em sua vida! O primeiro foi o companheiro que por ela se apaixonou. Antes de qualquer coisa, Maria informou ao seu “Amor” ser soro positivo. Qual o problema? Casaram-se. Vivem felizes!       

Quanto ao labor, ficou sabendo de uma jovem mãe que estava à procura de alguém para cuidar do bebê recém-nascido e se ofereceu para a vaga. Foi entrevistada com outras mulheres. A empregadora, de pronto, gostou do seu currículo. Foi contratada. Entretanto, não havia dito ser soro positivo à novel empregadora.

Sincera como é, jamais deixaria de mencionar o fato. Na primeira semana conversou contando tudo. A mulher então, após se comover com a história de Maria também foi extremamente franca. Afirmou que gostou muito da forma como desempenha o trabalho, mas, não conseguiria deixar o seu bebê com apenas um mês aos seus cuidados, tendo em vista o vírus da AIDS.         

Maria em muito tinha se identificado com Joana, sua empregadora. Havia ficado imensamente triste em ter que sair do emprego conquistado. Porém, entendia completamente as razões dela. Seu filho era totalmente desprovido de qualquer forma de defesa. Ademais, ninguém é obrigada a conviver com outra que não deseja por perto, seja qual for o motivo.         

É sabido que o vírus da AIDS não se contrai com o simples contato. As formas de transmissão acontecem através de relações sexuais, transfusões sanguíneas, ou, com a exposição de feridas que possam ter contato com o sangue da pessoa contaminada.

De mais a mais, aqueles e aquelas que fazem uso constante do coquetel de remédios, não transmitem a doença. Se formos parar para pensar, a forma mais comum é a relação sexual com pessoas que não se encontram em tratamento. É sempre muito bom lembrar: abraço, compartilhamento de objetos pessoais, toque, aperto de mão etc., não conduzem ao HIV.       

Passada uma semana que Maria havia sido dispensada do trabalho, o seu telefone celular toca. Era Joana. Maria imediatamente atende, preocupada com o bebê. A interlocutora aos prantos pede desculpas.

Maria sem nada saber, a pergunta o que foi, pois não estava entendendo aquela ligação. Joana pedia desculpas insistentemente, rogando que voltasse a trabalhar com ela nos cuidados com o filho recém-nascido. Disse que a ignorância e preconceito falaram mais alto, afirmando que como a maioria das pessoas foi contaminada pela falta de conhecimento. Maria disse que entendia toda a situação e que aceitaria voltar a com ela trabalhar.         

A história narrada é real. Apenas os nomes das personagens foram modificados. A desinformação faz inúmeras vítimas diárias. Antes de qualquer julgamento é muito importante pesquisar sobre o assunto.          

Maria e Joana, além de empregada e empregadora, se tornaram grandes amigas. Dividem os preciosos cuidados com um bebê que se tornou a existência das duas. Pequenas atitudes mudam conceitos e preconceitos e podem fazer feliz inúmeras pessoas.    

Joana, dias atrás, segundo Maria, compartilhou com ela uma colher de sorvete. E, dessa maneira, não pode imaginar o amor transmitido naquele momento... É essa sororidade que o mundo está a rogar...          

Rosana Leite Antunes de Barros é defensora pública estadual

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
26.05.20 09h30 »  Sua imagem é positiva ou tóxica?
26.05.20 07h55 »  Onde se aprende o racismo?
26.05.20 07h52 »  A transição de advogado a desembargador
26.05.20 07h50 »  A praça e a democracia
26.05.20 07h48 »  Mitos de mãos dadas e caras viradas
25.05.20 07h27 »  Quarentena
25.05.20 07h24 »  Cloroquina
25.05.20 07h17 »  Mudar de opinião
25.05.20 07h15 »  Bodas de brilhante paroquial
24.05.20 07h55 »  A dramática fila da morte

TV REPÓRTER

Enquete

REMÉDIO POLÊMICO

Você tomaria hidroxicloroquina caso contraísse Covid-19?

Sim. O remédio está no mercado há 70 anos

Não. O remédio não tem comprovação de pesquisa para Covid

Não. Cloroquina é o remédio do Bolsonaro

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO