16.01.2020 | 08h30


ALFREDO DA MOTA MENEZES

Importância do cadastro positivo

Em tese, se tem boa nota, teria juros menores em empréstimos bancários

O cadastro positivo é uma espécie de banco de dados sobre a vida financeira de alguém em que é avaliado seu risco de crédito. Cada um terá uma nota que dirá o tamanho da confiança do sistema financeiro ou do comércio com aquela pessoa.

A nota varia de zero a mil. Em tese, se tem boa nota, teria juros menores em empréstimos bancários ou no comércio e também mais tempo para pagar. Menos inadimplência, se terá mais crédito, com juros menores.

Pagamentos de água, luz, telefone, cartão de crédito, conta bancária, tudo para levantar como é que a vida financeira da pessoa. Bancos, empresas financeiras, comércio, serviço, podem acessar os dados.

A pessoa pode participar disso ou não. Quem não quer pode solicitar sua exclusão dessa espécie de banco de dados a órgãos encarregados desses levantamentos, como a Serasa.

Um dos motivos desse cadastro positivo é tentar baixar os juros no país. A alegação dos bancos é que a inadimplência é alta e, para se protegerem, jogam os juros para a estratosfera. Até outro dia os juros anuais de cartão de crédito passavam de pornográficos 300 por cento. Com inflação baixa e taxa de juros oficiais não passando de cinco por cento ao ano se tem juros bancários ou de créditos em patamares absurdos.

Não se sabe se o cadastro faria os juros baixarem. É que existem poucos bancos. Não há, como em outros países, uma disputa maior entre casas bancárias. Com essa concentração, com pouca disputa entre eles, os bancos fazem o que querem com os juros.

Se o cadastro positivo não ajudar a diminuir juros, quem sabe a alternativa seria abrir o país para a vinda de bancos de fora. Estabelecer competição entre eles.

Voltando ao cadastro positivo. A pessoa para estar nele tem que receber um aviso por e-mail, correio, telefone ou o que for e num prazo de 30 dias concordar ou não em participar. Pode também solicitar sua exclusão e, se quiser, retornar mais tarde a ele. O cadastro não ficará aberto para todo mundo. Sim para bancos, financeiras, comércios, serviço, não para quem quiser bisbilhotar a vida financeira de alguém.

Existe o cadastro positivo em países como EUA, Alemanha, China e até Argentina. Mostram ali que há grande acréscimo de pessoas na compra a crédito, chega a dobrar em alguns anos. Mostra também o exterior que a inadimplência cai muito.

Fala-se que no Brasil pode ser injetado na economia mais de um trilhão de reais em dez anos. Que o mercado de crédito pode ser aumentado em mais de 20 milhões de novos consumidores. E que o PIB pode crescer 0,5%, com mais gente comprando a crédito.

Será, para concluir, que o cadastro positivo e seus desdobramentos farão os juros bancários caírem mesmo? Os bancos estão numa encruzilhada: ou abaixam os juros ou a alternativa seria abrir o país à entrada de bancos do exterior.

ALFREDO DA MOTA MENEZES é analista político.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
27.01.20 08h32 »  Muito além de uma pirralha
27.01.20 08h28 »  O fim da piracema
27.01.20 08h26 »  Greta, Witzel e Alvim
27.01.20 08h24 »  Reforma sem previdência
26.01.20 07h55 »  Hanseníase tem cura e quando não tratada pode deixar sequelas
26.01.20 07h55 »  As musas
26.01.20 07h55 »  Avenida Parque do Barbado
26.01.20 07h55 »  Cuiabá tem história
25.01.20 07h55 »  Isonomia uma bela utopia
25.01.20 07h55 »  Sistema Unimed

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO