20.03.2020 | 15h27


OPINIÃO / GUSTAVO DE OLIVEIRA

Hora de escolher um lado

O Brasil pode ser a China na América. Tem um grande dever de casa pra fazer, mas pode chegar lá

Cada vez mais o mundo vai precisar do Brasil, grande produtor de alimentos e detentor de riquezas naturais incalculáveis. É a hora do Brasil finalmente transformar sua neutralidade diplomática histórica em oportunidade de relações comerciais com todos os países que puder.

 

Isso significa que, nas guerras comerciais entre árabes e judeus, chineses e americanos, ingleses e europeus, por exemplo, o Brasil deve ter um lado só: o lado do Brasil, dos melhores interesses do Brasil. Estas brigas não são nossas, e tentar tomar lado nelas só nos diminui como país.

 
Nesse contexto, a verborragia parlamentar não ajuda a diplomacia comercial. Se, por exemplo, para "fazer graça" com os americanos insistimos em atacar e culpar os chineses pela covid-19, nos enfraqueceremos muito, pois na hora em que a China nos fechar as portas, os EUA param de nos cortejar e nos tratar como a noiva do ano para começarem a nos tratar como o cunhado que quer dinheiro emprestado.

A atividade parlamentar requer a capacidade de falar para o seu público sem, contudo, deixar de perceber que este mesmo público pode ser atingido pelos seus ataques a quem, em última instância, o esta ajudando. A China contribui muito com Mato Grosso e com o Brasil, enquanto os EUA só nos respeitam porque temem que o Brasil aumente seu fluxo de comércio com a Ásia, enfraquecendo e substituindo as posições americanas. Resumindo: a China é cliente. Os EUA são parceiros - mas também são poderosos concorrentes.

 

O Brasil pode ser a China na América. Tem um grande dever de casa pra fazer, mas pode chegar lá. Porém, para abrir as fábricas de alimentos e outros, precisamos fechar as fábricas de bravatas. Estamos em 2020 – já passou da hora de o contexto preconceituoso das décadas de 1960 a 1980 com os então países comunistas ficar na história.

Aos que quiserem continuar com a verborragia, sugiro protagonismo em um novo volume do Febeapá, de Sergio Porto, iniciado em 1966 sob o pseudônimo da Stanislaw Ponte Preta. Febeapá é a sigla para 'Festival de besteira que assola o país' e talvez seja, junto com a selecao de 1962, o único resquício dos anos 1960 que nos faz rir. Material pra uma nova edição 2020 não tem faltado. 

É hora de olhar pro futuro.

Gustavo de Oliveira é presidente do Sistema Fiemt

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
26.05.20 09h30 »  Sua imagem é positiva ou tóxica?
26.05.20 07h55 »  Onde se aprende o racismo?
26.05.20 07h52 »  A transição de advogado a desembargador
26.05.20 07h50 »  A praça e a democracia
26.05.20 07h48 »  Mitos de mãos dadas e caras viradas
25.05.20 07h27 »  Quarentena
25.05.20 07h24 »  Cloroquina
25.05.20 07h17 »  Mudar de opinião
25.05.20 07h15 »  Bodas de brilhante paroquial
24.05.20 07h55 »  A dramática fila da morte

TV REPÓRTER

Enquete

REMÉDIO POLÊMICO

Você tomaria hidroxicloroquina caso contraísse Covid-19?

Sim. O remédio está no mercado há 70 anos

Não. O remédio não tem comprovação de pesquisa para Covid

Não. Cloroquina é o remédio do Bolsonaro

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO