16.06.2012 | 15h05


MARIA LYGIA B. GARCIA

Gambiarra



Boas ações, se pode contar, exercidas pelas várias entidades fixadas nesse nosso Brasil, como grande influência na obtenção de benefícios sociais o que muito as valoriza. Os atos por elas praticados refletem o grau de respeito às instituições democráticas da nossa República.

Maquiavélica é a atitude da direção de uma entidade que burla o código de ética inerente a todas as sociedades que visam, com seriedade, promover o progresso social de onde está fixada. Essa atitude podemos interpretar como a semiótica do desrespeito aos membros que se agruparam afim de, pelo trabalho, atingirem o que se propuseram alcançar.

Felizmente, sente-se que várias camadas sociais estão se conscientizando da indignidade contida no conceito de que "os fins justificam os meios". Meios fraudulentos, a hombridade do verdadeiro cidadão, rejeita. Aqueles que almejam ser líderes têm o dever moral de dar exemplo de dignidade para que a juventude de hoje reforce o desejo de ser o cidadão digno do amanhã e, assim, obter a confiança dos seus concidadãos em qualquer trabalho que se proponham a exercer.

O antiético é imoral, é a violação de um regulamento. Burla regras estabelecidas em leis, estatutos e códigos que estabelecem limites para que o direito e a honestidade sejam enquadrados, observados e cumpridos. O anti-ético é contrário à dignidade, portanto, imoral mesmo!

Cuiabanamente falando, "maracutaia"!

No popular, é "uma grande gambiarra".

Os "gambiarristas" se aproveitam de inocentes úteis para conseguirem conectar seus fios sem que apareçam na operação fraudulenta.

Quem, por meio da "gambiarra", consegue o seu intento, não merece a confiança, a credibilidade de um povo, de uma gente, do cidadão.

As eleições estão a se avizinhar. Os eleitores da nova classe média, pelo que se nota, não mudaram seus valores, sua roda de amigos, seus hábitos. Acreditando nisto, não sei o que exigirão da pessoa do candidato para elegê-lo. Não sei se o comportamento político e individual como pessoa humana irá exercer a influência necessária para que receba os votos da classe social emergente.

Os gambiarristas costumam aparecer e mostrar que dentro dos fios que manipulam sobra cobre!

Não estou aqui plagiando a "INDIRETA DE MIMI".

Dona Mimi chegou furiosa á casa de Dona Bem-Bem. Havia brigado com o marido. Em alto e bom som foi contando e falando:

Mandei telegrama com uma "INDIRETA" - você não, marido safado.

*Maria Lygia de Borges Garcia foi primeira-dama de Cuiabá e de Mato Grosso

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
28.01.20 08h29 »  Seu bebê está pronto para usar uma tela?
28.01.20 08h25 »  Procedimento estético
28.01.20 08h22 »  Tragédias da impunidade
28.01.20 08h20 »  Nem Mário, nem João
27.01.20 11h00 »  Educação sem oportunismo
27.01.20 08h32 »  Muito além de uma pirralha
27.01.20 08h28 »  O fim da piracema
27.01.20 08h26 »  Greta, Witzel e Alvim
27.01.20 08h24 »  Reforma sem previdência
26.01.20 07h55 »  Hanseníase tem cura e quando não tratada pode deixar sequelas

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO