09.12.2012 | 08h48


OPINIÃO / GABRIEL NOVIS NEVES

Éramos nove

Quis o destino, fugindo a toda hierarquia, fisiologia e razão, que o filho de número seis fosse o primeiro a ser abatido e abandonasse a fila



 

“Esta vida é uma estranha hospedaria, de onde se parte quase sempre às tontas, pois nunca as nossas malas estão prontas, e a nossa conta nunca está em dia”. (Mário Quintana).


Durante cinquenta e sete anos fomos nove irmãos - cinco mulheres e quatro homens.


Filhos de Olyntho Neves e Irene Novis Neves.


Com seu humor imortal, minha mãe nos chamava de “Nove Neves”.


Quis o destino, fugindo a toda hierarquia, fisiologia e razão, que o filho de número seis fosse o primeiro a ser abatido e abandonasse a fila.


Foi fácil garantir essa invencibilidade de vida saudável por mais de meio século, produto da herança genética herdada dos nossos pais, onde a expectativa de vida foi de noventa anos. Bugre nos deixou aos oitenta e oito anos e Irene aos noventa.


O equilíbrio da fila foi desmontado na sua parte terminal, indicando insegurança para os da frente, e principalmente para os três últimos - se houvesse lei da gravidade na biologia.


A tendência agora é a repetição das perdas e a diminuição da fila até o seu final.


Assim é a vida.


Alguns acreditam que a ordem de chamada para a eternidade é feita por méritos – os bons são sempre os primeiros a serem chamados. Outros creem que seja algum tipo de sorteio.


A verdade é que não existem ou desconhecemos os critérios utilizados.


Injustiça jamais!


Espero que demore alguns anos para nova separação dos “Nove” - agora “Oito” - por tempo indeterminado.


A religiosidade de cada um determinará quando e onde será esse reencontro.


Não gosto de pensar nessa viagem obrigatória. Medo? Não sinto. Sinto uma grande tristeza quando penso que terei que abandonar esta vida.


Tecnicamente preencho todos os requisitos para ser o próximo a deixar a fila. Afinal, tenho a condição privilegiada de ser o número um.


Concordo com o meu poeta Mário Quintana: “Morrer que me importa? O diabo é deixar de viver”.


“A vida é tão boa! Não quero ir embora... O próprio viver é morrer, porque não temos um dia a mais na nossa vida de que não tenhamos, nisso, um dia a menos dela”. (Fernando Pessoa).


Quero esgotar toda a felicidade que encontro dentro de mim, tarefa que demorará muitos anos pelo volume acumulado.


Desejo viajar sem bagagem alguma, para encontrar uma vida melhor para todos.


Adeus Tieta!  E até qualquer instante.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Roberto Tadeu Fernandes de Figueiredo  10.12.12 11h12
Os meus cordiais pesâmes a família e confie em Deus. Se vamos por mérito ou não, isso não nos compete decidir. Que seja sempre feita a sua vontade.

Responder

0
0

Confira também nesta seção:
08.04.20 10h09 »  Cuiabá 301 anos
08.04.20 09h43 »  Mais do que nunca, estamos juntos!
08.04.20 07h55 »  Home office – Vantagens e Desvantagens
08.04.20 07h55 »  A verdadeira crítica
08.04.20 07h55 »  O efeito da crise
08.04.20 07h55 »  'Coronavoucher'
07.04.20 08h12 »  Áreas públicas
07.04.20 08h10 »  Leva tempo, mas vale à pena
07.04.20 08h05 »  Pandemia e pandemônio
07.04.20 07h59 »  Raízes cuiabanas

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO