27.11.2011 | 07h40


ROMULO NÉTTO

Enawenê-Nawê – Contatos Imediatos



Quando líamos ou ouvíamos falar em aproximação com grupos indígenas isolados ou arredios logo nos vinha o pensamento de selvagens portando bordunas, tacapes, zarabatanas e arcos e flechas. Tínhamos a ideia preconcebida de que eles deveriam ser "domados" para que a Marcha para o Oeste se concretizasse. 

De um lado, diversas etnias que lutavam pela sobrevivência nas terras ancestralmente suas. De outro, o Governo Federal que temia a invasão de grande parte do território nacional caso não se procedesse a sua imediata ocupação. Somado a isso vinha a propalada necessidade de produzir alimentos, fato gerador dos mais escabrosos casos de genocídio dos tempos modernos da história brasileira.

Thomaz de Aquino Lisbôa, o Jaúka, em seu Enawenê-Nawê - primeiros contatos, com linguajar simples, acessível a qualquer de nós, relata o primeiro encontro com os Salumã. Na verdade Salumã era o nome de um índio e não o nome que aquele povo se autodenominava. Somente tempos depois foi que conseguiram desvendar o mistério e descobrir que aquele grupo de índios era Enawenê-Nawê.

A atração não foi simples, apesar de amistosos, o Enawenê-Nawê era um povo desconfiado. Os membros daquela etnia adoravam os objetos do homem branco e não faziam cerimônia. Quando a equipe de Thomaz de Aquino aportava em local que permitisse o pernoite, logo surgiam alguns indígenas, que imediatamente vasculhavam o barco e apanhava tudo que lhes parecesse interessante. Levavam facas, facões, anzóis, machados, chapéus e até roupas.

Thomaz de Aquino Lisbôa soube, com perseverança e habilidade esperar o momento exato para mostrar àquele povo que, ele e seus companheiros eram de paz. E foram muitas idas e vindas até que se estabelecesse um elo de confiança entre as partes. Parece-me que esse elo jamais foi quebrado.

O livro Enawenê-Nawê, primeiros contatos, ou relato de campo vem nos mostrar que aproximação do homem branco com os diversos grupos étnicos poderia ter sido menos traumática.

Aquino teve a sensibilidade de não deixar nenhum companheiro com sintomas de gripe manter contato com os indígenas, recolhendo as vasilhas que bebiam água, chicha e comiam, evitando uma contaminação, que por certo, dizimaria toda a etnia.

A exemplo do que já ocorrera no Paraná, em Mato Grosso, as frentes pioneiras assassinaram quase todos os Beiço-de-Pau, misturando arsênico com açúcar, deixando como presente, em locais frequentados pelos índios. Assim foram tratados pelo branco colonizador os verdadeiros donos das terras brasilis. 

Aos poucos os povos indígenas foram sendo expulsos do habitat natural. E, "tirar-lhes o espaço é destruí-los como povos." 

Por incrível que pareça o contato se deu quase que pacificamente, exceção feita quando, em quatro de setembro de 1984, mataram o topógrafo João Batista dos Santos e seu auxiliar Osvaldo Vargas e feriram gravemente Nerino Rodrigues de Camargo e Manoel Oliveira Costa e Silva.

Enawenê-Nawê, primeiros contatos, publicado pela Carlini & Caniato Editorial, é um livro que deve ser lido, discutido. Longe de ser polêmico, é antes de tudo um texto que nos leva à reflexão sobre como seria diferente o processo de aculturamento dos povos indígenas brasileiros, se os homens certos estivessem nos lugares certos. 

Romulo Nétto é jornalista e escritor, autor de onze livros, editados pela Carlini & Caniato Editorial

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
25.01.20 07h55 »  Isonomia uma bela utopia
25.01.20 07h55 »  Sistema Unimed
25.01.20 07h55 »  Geladeira solidária
25.01.20 07h55 »  Cigarros eletrônicos
24.01.20 08h24 »  Meio milhão de pessoas
24.01.20 08h21 »  Barbárie e incompetência
24.01.20 08h17 »  Desvendar a premonição
24.01.20 08h16 »  O MP e o atendimento ao público
23.01.20 12h32 »  Não é confronto, é luta por Cuiabá!
23.01.20 08h32 »  Entre as lentes da alma e do celular

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO