12.05.2019 | 07h55


ROSANA LEITE

Elogio para mulheres?

O elogio que elas querem está distante do que costumam receber

O assédio sexual passou a ser vislumbrado com a entrada da mulher no mercado de trabalho. A mulher sempre sofreu muita discriminação, dentro e fora de casa. A década de 60 foi marco de entrada das mulheres no ambiente escolar e contribuição para o PIB. A independência do gênero feminino não a vem poupando de dissabores, máxime de agressões.

As reinvindicações das mulheres modernas são a emancipação total e o respeito. O fato de a mulher se tornar independente financeiramente, muitas vezes, a faz vítima de feminicídio. Sim, uma mulher está se negando a relacionamentos tóxicos, principalmente, quando não depende economicamente do companheiro. O inconformismo com término do relacionamento tem sido a maior causa de morte de mulheres.

Entretanto, mesmo após anos passados de garantia de direitos, e o acontecimento de tantas conquistas importantes e especiais, as mulheres não vem sendo poupadas de dissabores de grandes montas.

Os assédios, abusos e desrespeitos trazem traumas de todas as órbitas para as mulheres. A cantada, por exemplo, a faz objeto. É intimidador, humilhante, constrangedor e desagradável receber cantadas. Em festas, ou em qualquer local, são absurdas as perturbações que as mulheres passam. Ao invés de se divertir, elas acabam em sofrimento.

É constrangedor ser xingada por dizer não. Também, ser julgada pela roupa que usa. Andar a passos rápidos, e ter que trocar de calçadas para não ser insultada. A verdade é que o machismo mata, estupra, machuca fisicamente, psicologicamente e emocionalmente. O patriarcalismo é visto com naturalidade por ser entranhado na natureza humana. A misoginia faz a mulher ter medo, evitar andar sozinha à noite, ou a qualquer outra hora.

A mulher precisa de consideração, já que foi relegada por anos a fio. O elogio que elas querem está distante do que costumam receber. Quando um homem canta uma mulher, ele só quer mostrar superioridade sobre ela. O que se deseja é liberdade de sentimento. Cantada é assédio. Julgamento quanto à forma de se portar é desrespeito.  

A frase feminista é clara: “Não te conheço, então não me chame de meu bem”. Nenhuma cantada é inofensiva, pois, a maioria das mulheres não a aceita. Se uma das partes não está feliz ou se sente desconfortável, não pode ser paquera.

O corpo da mulher não é objeto, muito menos público. O espaço público não é protegido para o gênero feminino. Pensar que cantada é elogio é ignorar o direito de ir e vir, estar e ficar, da mulher. Não há necessidade, pela mulher, da aprovação masculina. O gênero masculino tem o dom de querer demonstrar poder sobre a mulher, sendo uma das formas a cantando e julgando.  Não é normal! Não pode haver aceitação...

ROSANA LEITE ANTUNES DE BARROS é defensora pública estadual.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
17.07.19 08h45 »  Não parar, não precipitar
17.07.19 08h39 »  Balbúrdia
17.07.19 08h37 »  VLT: um grande passo
17.07.19 08h34 »  Penas alternativas
16.07.19 10h03 »  Reflexões sobre a mentira
16.07.19 10h00 »  Apenas reconheça
16.07.19 09h57 »  Armadilhas do amor
16.07.19 09h55 »  ICMS e energia solar
15.07.19 08h31 »  Coração rompido
15.07.19 08h28 »  Geração mais gerações

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER