22.08.2019 | 08h40


ARNALDO JUSTINO DA SILVA

Elogio à loucura

Só louco para ansiar ser governante; por isso, a loucura exige respeito

Há muito tempo, Erasmo de Roterdã disse que se desse conta da responsabilidade, ninguém em sã consciência iria ter coragem de ser governante.

Ter que fazer leis e ser o primeiro a respeitá-las.

Ter consigo a ética sempre à frente do nariz para que se lembre sempre, com o intuito de nunca dela se distanciar, pois deve estar num pedestal servindo de exemplo aos demais.

Estou dizendo o que o corajoso religioso disse na Idade Média, com as adaptações necessárias.

Saber que a criancinha ou o idoso, este que tanto contribuiu para o progresso do Estado, está morrendo numa maca do pronto socorro por falta de vaga na UTI, e você governante deveria ter uma solução para que isso não ocorresse.

Ter consciência dos invencíveis problemas de segurança, educação e que sofrerá pressões de tudo quanto é lado para resolver todas as demandas.

Terá vorazes fiscais a esbravejar “eu te disse, eu te disse, deveria ter feito daquela maneira, não fez….”

Administrar os próprios bens pode gerar desconfiança dos familiares. Imagine gerir o bem alheio, fiscalizado por todos.

Diante de tanta responsabilidade, se tivesse consciência delas, não fosse a contribuição da loucura, não teria um sono tranquilo, levantaria várias vezes na noite a pensar ter achado a iluminação para solucionar um dos milhares de problemas, não podendo perder a oportunidade daquele momento de escrever a grande ideia, sob pena de correr o risco de na noite profunda esquecer os detalhes que poderiam colocar tudo a perder. Ter a visão de que deve exigir muito do povo, para cobrir o rombo que muitas almas errantes deixaram no patrimônio público em tempos passados.

Ter a consciência de que para melhorar as condições da comunidade, deve ser duro, ser odiado, não dar o que as corporações pedem, com a obrigação de a elas dar explicações e, sendo entendido ou não, ter o pulso firme de um pai com olhar zangado, fazendo-se respeitar, para que o rebento entenda que não há dinheiro, não há sobras para comprar os docinhos da sobremesa, senão o necessário para a sobrevivência da família.

Só louco para ansiar ser governante. Por isso, a loucura exige respeito e admiração.

Concito-vos, pois, a venerá-la, pois sem ela não haveria governantes, sem nunca olvidar que, sem ser insanos, muitos já estiveram à frente do governo e praticaram atos infames que esses loucos dos quais falo jamais fariam, pois, embora inconscientes do pesado fardo, jamais caminhariam por lugares que pudessem envergonhar suas mães.

ARNALDO JUSTINO DA SILVA é promotor de Justiça em Mato Grosso.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
17.09.19 08h34 »  Tijolo
17.09.19 08h32 »  Centro-Oeste e Amazônia
17.09.19 08h27 »  Lei de abuso de autoridade
17.09.19 08h21 »  O secretário e a Arena
16.09.19 08h53 »  Precisa-se
16.09.19 08h51 »  Intuito explícito
16.09.19 08h45 »  Queimadas e tempo seco
16.09.19 08h39 »  Vida noturna cuiabana
15.09.19 07h55 »  Clima quente exige mais cuidados
15.09.19 07h55 »  O leviatã tupiniquim

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER