05.10.2019 | 07h55


LUIZ EVARISTO VOLPATO

É responsabilidade do robô?

Os algoritmos são peças-chave na inteligência artificial.

Ainda hoje, quando falamos de robôs ou de inteligência artificial, parece que estamos no mundo da fantasia ou da ficção científica. Quando nos enveredamos então por questionamentos éticos envolvendo esses “personagens”, as dúvidas parecem ter sido originadas de um dos livros de Isaac Asimov. Mas será que estamos tão longe dessa realidade?

Sou cirurgião-dentista há mais de vinte anos e durante este tempo tenho presenciado a evolução que vem ocorrendo na minha profissão, seja em relação às técnicas e materiais utilizados, seja em relação ao campo de atuação e ambiente de trabalho dos profissionais.

Entretanto, nos últimos anos essa evolução tem se dado de maneira quase disruptiva. Há pesquisadores e clínicos que afirmam que a odontologia vive agora um novo momento, a era digital. E como contrapor essa afirmação se os congressos e cursos no Brasil e no mundo apresentam cada vez mais soluções digitais para diferentes situações clínicas? Não há dúvidas que a incorporação da tecnologia pelas diferentes especialidades odontológicas é uma realidade. Mas e a inteligência artificial?

Os algoritmos são peças-chave na inteligência artificial. Por meio deles a máquina consegue observar padrões, identificar as mudanças nesses padrões e responder de acordo com a mudança ocorrida. A máquina sozinha consegue identificar o rosto de um usuário em meio aos 2,2 bilhões de usuários globais do Facebook (em julho de 2018).

Não seria ela capaz de identificar uma alteração patológica em uma radiografia ou tomografia computadorizada? Se ela fosse programada com os parâmetros de normalidade do posicionamento dentário, após a obtenção de imagens dos dentes de uma pessoa por meio de scanners bucais, seria ela capaz de diagnosticar e planejar movimentações dos dentes para que eles atinjam o posicionamento parametrizado como ideal? Será que estamos longe dessa realidade?

Vamos imaginar uma situação hipotética: Uma pessoa faz uma tomografia e um escaneamento bucal. Um software faz a análise das imagens e entende que não há alterações nos tecidos dentários, apenas o mau posicionamento dos dentes. Imediatamente ele já planeja o tratamento ortodôntico por meio do uso de placas alinhadoras removíveis que serão impressas na impressora 3D. Essa pessoa vai para casa com seus alinhadores e faz seu tratamento em casa mesmo, trocando as placas conforme vão acontecendo as movimentações dentárias.

Na situação apresentada, o paciente teve seu diagnóstico e planejamento conduzidos pela inteligência artificial e o tratamento orientado por ela. Mas, e se o tratamento não ocorrer conforme planejado? Diferentemente da máquina, o organismo biológico pode apresentar inúmeras variações, próprias ou induzidas por agentes externos, que podem levar a resultados diferentes dos previstos inicialmente. Nesse caso a responsabilidade da falha no tratamento recairia sobre quem? Sobre o robô (a máquina)? Sobre o próprio paciente?

Estamos prontos para prescindirmos da participação humana no cuidado com a saúde?

LUIZ EVARISTO RICCI VOLPATO é cirurgião-dentista e Diretor Tesoureiro do Conselho Federal de Odontologia (CFO).

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
16.10.19 07h55 »  Carne Carbono Neutro
16.10.19 07h55 »  A voz delas tem som?
16.10.19 07h55 »  Diversão ou desrespeito?
16.10.19 07h55 »  O futuro da Amazônia
15.10.19 07h55 »  O papel do TCE
15.10.19 07h55 »  Semáforo do Círculo Militar
15.10.19 07h55 »  MP do agro
15.10.19 07h00 »  Mauro Carvalho candidato a Prefeito?
14.10.19 08h38 »  Ser criança é ser feliz
14.10.19 08h34 »  A vida é uma construção

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER