11.07.2019 | 08h48


VINÍCIUS SEGATTO

Crimes ambientais

Empresas e seus sócios possuem responsabilidades penais diversas

O Poder Constituinte Originário, ao enfatizar sua atenção com o meio ambiente através do artigo 225 da Constituição Federal, impôs instrumentos protetivos tanto na esfera penal quanto cível e administrativa. Para a compreensão do termo “meio ambiente”, bem jurídico tutelado, deve-se levar em consideração o conjunto de condições e interações de ordem física, biológica e química que rege a vida em todas as suas finalidades

Além disso, o meio ambiente não se refere tão somente à condição em que vivem os seres, mas aos bens de uso comum do povo e imprescindíveis à sadia qualidade de vida. Para tanto, ao elaborar medidas para sua preservação, o legislador estabeleceu a responsabilidade tanto das pessoas físicas como das jurídicas em crimes ambientais.

Desse modo, após diversos entendimentos e posições jurisprudenciais, os Tribunais Superiores consolidaram que as pessoas jurídicas não só podem ser responsabilizadas como podem cometer crimes contra o meio ambiente. Isso porque, pessoa física e pessoa jurídica possuem responsabilidades penais diversas que devem ser apuradas isolada e autonomamente.

Além do mais, a responsabilidade criminal da pessoa jurídica não pressupõe, por si só, a dos seus sócios, ainda que vistas em um mesmo processo, pois, a norma constitucional não impôs a indispensabilidade da dupla imputação. Resumidamente: é possível a responsabilização criminal da pessoa jurídica por crimes ambientais independentemente da responsabilidade simultânea do representante (pessoa física).

Ainda, o legislador dissociou as sanções previstas para ambas, já no intuito de considerá-las separadamente, prevendo o artigo 21 da Lei 9.605/1998 as penas aplicáveis às pessoas jurídicas, seja isolada, cumulativa ou alternativamente. Assim sendo, em virtude do princípio da taxatividade, a multa, as penas restritivas de direito e a prestação de serviços à comunidade são previstas como penalidades

Demais, no intento de mitigar e prevenir que pessoas jurídicas desviem da sua finalidade, o artigo 24 da mencionada Lei consignou que a empresa constituída ou utilizada, predominantemente, com o objetivo de facilitar ou dissimular a prática de crime ambiental terá determinada sua liquidação forçada, o seu patrimônio tido como instrumento do delito e, desse modo, destinando ao Fundo Penitenciário Nacional.

VINÍCIUS SEGATTO é advogado e membro da Comissão de Direito Penal e Processo Penal da OAB-MT

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
23.07.19 16h00 »  O xeque-mate se aproxima célere
23.07.19 08h10 »  A reinstituição de benefícios fiscais
23.07.19 08h06 »  CNH e tributos
23.07.19 08h03 »  Questões da ferrovia
23.07.19 08h02 »  Dos crimes falimentares
22.07.19 08h30 »  Trilhos e futuro
22.07.19 08h27 »  PEC 108
22.07.19 08h24 »  O fracasso do grande golpe
22.07.19 08h15 »  O VAR veio para ficar
21.07.19 07h55 »  Os perfis de emprego

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER