25.05.2020 | 07h24


OPINIÃO / RENATO DE PAIVA PEREIRA

Cloroquina

A despeito das evidências, o presidente continua obcecado pelo medicamento

A cloroquina já não é mais um assunto restrito aos médicos ou a área de saúde. Desde que o Trump e o Bolsonaro a retiraram de sua condição de remédio contra malária e artrite reumatoide e a transformaram na panaceia que acabaria com a pandemia de covid-19 tornou-se matéria de interesse de todos.

 

Os estudos ainda não conseguiram comprovar a eficiência da cloroquina no combate ao vírus responsável pela atual pandemia. Ao contrário de fazer bem, todos os relatos mostram que a administração do remédio traz sérios riscos à saúde, principalmente severas complicações cardiológicas.

 

A despeito disso o presidente continua obcecado pela ideia de vencer a Covid-19 com o uso deste controvertido medicamento em mais uma demonstração de seu interesse em priorizar opiniões sem fundamentos.

Fica a impressão de que ele, por não dominar assuntos complexos, se apega a essas coisas simplórias de fácil assimilação pelo povo para manter-se em evidência, usando o que ele mais gosta que é o confronto.

Agora, após a recusa de dois ministros da saúde – médicos que priorizaram a ciência – em recomendar a cloroquina para todas as fases da doença, ele determina ao general que ocupa o posto interinamente que assine o protocolo de autorização do uso.

Se não fossem suficientes tais riscos o ministro interino Coronel Pazuello, competente militar, mas leigo em saúde, está enchendo o ministério de militares, em prejuízo do pessoal tradicional que entende do assunto

Convém lembrar que o Presidente costuma entrar em barcas furadas, tanto que vive citando a Suécia como exemplo de país que não adotou a quarentena e se deu bem. Só que essa vantagem aconteceu no primeiro momento, agora ela (a Suécia) mostra a maior taxa per capita de mortalidade pelo coronavírus. Ao mesmo tempo a economia caiu quase no mesmo nível de sua vizinha Dinamarca, que adotou o isolamento social como os demais países da Europa e do mundo

Aqui no Brasil ele insiste em condenar o distanciamento social, criando conflito na população que não sabe se acredita nele ou nos governadores e prefeitos. O índice de mortes mostra claramente que algumas cidades ou até estados estão à beira da catástrofe pública e já não há UTIs para atender os que precisam delas. No momento que escrevo no Rio de Janeira mais de 400 pessoas aguardam leitos hospitalares, destes 250 esperam UTI.

O Presidente Bolsonaro está na conta mão do mundo. Mesmo com os eloquentes exemplos de sucesso de quem fez isolamento a tempo – Portugal é um caso – ele insiste em manter somente os vulneráveis em confinamento, liberando todos os outros, como fosse possível manter os velhos longe dos demais na periferia pobre, onde a maioria das casas não tem nem um cômodo por pessoa  

Negar a gravidade da pandemia como o Presidente vinha fazendo não cola mais; eleger um remédio que a ciência condena já está ficando ridículo. Mas é bom não subestimar a capacidade do Bolsonaro de criar confusões: o futuro ministro da saúde pode ser a cloroquinista Nise Yamaguchi ou o inconsequente Osmar Terra, adepto da liberação geral. 

RENATO DE PAIVA PEREIRA é empresário e escritor

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
10.07.20 08h11 »  Botox e o lifting de Nefertiti
10.07.20 08h09 »  Justiça de MT
10.07.20 08h05 »  Cabaré de cegos
10.07.20 08h01 »  A Alma é a geratriz de todo o progresso
09.07.20 08h21 »  VLT e a boa política
09.07.20 08h18 »  Doem alimentos
09.07.20 08h10 »  Placebos da Esperança
09.07.20 08h08 »  IPTU e a quarentena
08.07.20 08h09 »  Higiene do sono
08.07.20 08h07 »  Calado é um poeta

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO