17.09.2019 | 08h32


OPINIÃO / ONOFRE RIBEIRO

Centro-Oeste e Amazônia

Sem Brasília, não teríamos a ocupação da Amazônia, nem do Centro-Oeste

Tenho escrito neste espaço uma série de artigos na tentativa de, quem sabe, recompor a sofrida História recente no Brasil no tocante à ocupação da Amazônia e do Centro-Oeste a partir do começo da década de 1970. No último, recordei quais as linhas filosóficas, políticas e estratégicas que levaram à construção de Brasília. E daí à posterior ocupação das duas regiões. Sem Brasília não teria sido possível. Recordo-me que cheguei a Brasília no dia 31 de janeiro de 1961, exatamente no dia em que o presidente Juscelino Kubitscheck entregava o governo ao presidente eleito no ano anterior, Jânio Quadros.

Estudei no colégio Elefante Branco e na Universidade de Brasília nos áureos anos de sua fundação. Ela era uma alavanca de partida que formaria os técnicos capazes de empreender a ocupação regional, partindo de Brasília. A formação era humanista. Todos os alunos de todos os cursos tinham dois anos de ensino básico na área de humanismo: histórias, geografias, economia, filosofia, sociologia, etc. A ideia era a da convivência comum, e que esses técnicos fossem capazes de ocupar a região, levando o conhecimento, mas respeitando as origens histórias e a cultura regional, na época muito frágeis devido ao longo isolamento geográfico.

Depois de quatro anos de exercício profissional como jornalista em Brasília, vim pra Mato Grosso em 1976,  dentro do contexto político da divisão territorial que se avizinhava. De fato, ele aconteceria pela Lei Complementar 12  de outubro de 1977. A separação física se daria a partir de 1º. de janeiro de 1979 com o funcionamento do estado de Mato Grosso do Sul.

A própria divisão de Mato Grosso já se daria dentro do contexto de ocupação da Amazônia via Centro-Oeste, tendo como pontos de origem Brasília e Cuiabá. Brasília, a saída política. Cuiabá, a saída econômica. Prometi no artigo anterior, e vejo que terei que adiar pro próximo, a história da “nova civilização no Centro-Oeste” com a construção de Brasília.

A verdade final deste artigo é a de que sem Brasília não teríamos a ocupação da Amazônia, nem do Centro-Oeste, Haveria de ter uma motivação geoestratégica. Ela veio com a tese da França, sob o governo de Georges Pompidou, em 1972, de internacionalizar a Amazônia.

Mas é assunto pro próximo artigo.

ONOFRE RIBEIRO é jornalista em Mato Grosso.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
26.05.20 09h30 »  Sua imagem é positiva ou tóxica?
26.05.20 07h55 »  Onde se aprende o racismo?
26.05.20 07h52 »  A transição de advogado a desembargador
26.05.20 07h50 »  A praça e a democracia
26.05.20 07h48 »  Mitos de mãos dadas e caras viradas
25.05.20 07h27 »  Quarentena
25.05.20 07h24 »  Cloroquina
25.05.20 07h17 »  Mudar de opinião
25.05.20 07h15 »  Bodas de brilhante paroquial
24.05.20 07h55 »  A dramática fila da morte

TV REPÓRTER

Enquete

REMÉDIO POLÊMICO

Você tomaria hidroxicloroquina caso contraísse Covid-19?

Sim. O remédio está no mercado há 70 anos

Não. O remédio não tem comprovação de pesquisa para Covid

Não. Cloroquina é o remédio do Bolsonaro

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO