15.05.2019 | 07h55


ONOFRE RIBEIRO

Cansa falar de futuro

Não há planos; há ideias descosturadas de governantes despreparados

Escrevo artigos desde 29 de junho de 1990. Há, portanto, 29 anos. A princípio no jornal A Gazeta diariamente. Hoje ainda no jornal e em alguns sites da capital e do interior. O tema futuro está presente na maioria dos artigos escritos. Desde o distante ano de 1990, quando Mato Grosso pouquíssimo representava dentro da economia e da população brasileiras. Lembro-me do discurso de posse do governador Dante de Oliveira, em 15 de março de 1995, quando se queixava que Mato Grosso representava 0,7% no PIB nacional. E a população era de 2 milhões e meio de pessoas, equivalentes a um bairro de São Paulo.

De lá pra cá o Estado cresceu muito. Em 1994, a primeira grande safra de grãos chegou a 3,5 milhão de toneladas. Comemorado com louvor. Em 2018 foram 62 milhões.

Aqui gostaria de puxar a essência desse assunto. Em 2028 a expectativa é de que a safra de grãos seja de 108 milhões de toneladas (levantamentos do Imea). Isso equivalerá a toda a produção brasileira agrícola, em 1990. Traduzindo: em 2028, daqui a 10 anos, Mato Grosso será do tamanho do Brasil em 1990.

Há algo, porém, a lamentar. Tudo isso pouquíssimo deve ao planejamento governamental. O que o planejamento público fez foi comprometer toda a renda arrecadada na forma de impostos pra gastar com a chamada máquina pública. Aliás, de baixíssimos resultados.

Pois bem. Vamos aos fatos. Pra dobrar a produção agropecuária daqui até 2028, serão necessários temas e mais temas de planejamento. Não existe um, sequer!

A capacidade dos quadros técnicos de planejamento do governo estadual é próxima de zero. Quem fez até aqui correndo todos os riscos foram os empresários da agropecuária, apesar dos entraves dos sucessivos governos estaduais. Órgãos como a Sema, por exemplo, são atrapalhadores extraordinários. Quando não corruptos. Secretaria de Fazenda que se sente um governo paralelo dentro do governo formal. E assim por diante. Educação que não educou recursos humanos para o presente em nenhum momento. Saúde doente. Segurança insegura.

E nada de planejamento! No máximo ideias descosturadas e avulsas de governantes despreparados. O momento atual e o futuro próximo nada têm a ver com esses anos passados quando se cresceu apesar da inércia dos sucessivos governos. O mundo é outro. As exigências são outras. A industrialização que virá, quer queira ou não governos e governantes, será muito mais complexa do que só plantar e colher. Como tem sido.

Falta gestão à gestão pública. Especialmente em planejamento. Quase desconhecido...

ONOFRE RIBEIRO é jornalista em Mato Grosso.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
20.08.19 09h06 »  Liberalismo
20.08.19 09h04 »  Agroterrorismo
20.08.19 09h00 »  As criptomoedas e o Fisco
20.08.19 08h45 »  Urbanismo
19.08.19 11h00 »  Sentir-se velho
19.08.19 08h20 »  Preservação
19.08.19 08h18 »  O decano
19.08.19 08h16 »  Somos complexidades
19.08.19 08h13 »  Limite do estresse
18.08.19 07h55 »  O valor de cada um

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER