09.10.2019 | 07h55


OPINIÃO / OTACÍLIO PERON

Bandeira Tarifária

Objetivo é repassar valores mensalmente ao consumidor

Bandeira tarifária é um sistema de cobrança regulamentado pela ANEEL, tendo como objetivo repassar mensalmente ao consumidor, os custos adicionais causados pela necessidade de acionamento de usinas termelétricas na geração de energia.                     

A finalidade do acionamento de usinas termoelétricas, é para economizar a água dos reservatórios das usinas hidroelétricas, em decorrência de estiagem, que reduz os reservatórios de água.                   

Esse sistema de bandeiras foi implementado a partir de 2015, cujas bandeiras apresentam as mesmas cores dos semáforos: verde, amarela e vermelha.                   

A bandeira tarifária verde, significa normalidade na geração de energia, e a tarifa não sofre qualquer acréscimo.                   

A bandeira tarifária amarela demonstra que a geração de energia hidroelétrica não está tão favorável, e a tarifa sofre acréscimo de R$ 0,015/kwh.

Já a bandeira tarifária vermelha, demonstra que a geração de energia hidroelétrica, não está favorável, em face de estiagem, provocando o acionamento de usinas termelétricas, que possuem um custo mais elevado na geração de energia, e, em decorrência a tarifa sofre acréscimo de R$ 0,040/kwh, para o patamar 1, e nos casos extremos, para R$ 0,060/kwh, considerado patamar 2.

É, uma forma pratica de apresentar um custo já pré-existente na geração de energia. Esse custo que as distribuidoras já pagaram na compra de energia, somente será repassado aos consumidores um ano após o ocorrido acréscimo.

Em Mato Grosso a bandeira tarifária para o mês de outubro, será amarela, isto significa que a tarifa sofrerá um acréscimo de R$ 0,015 para cada quilowatts – hora (kwh) consumido.

Não é a melhor notícia, mais já alivia um pouco o bolso do consumidor, pois passa da cor vermelha para amarela com um custo menor por (KWH) consumido.

Esta mudança significa a previsão do aumento de chuvas em outubro, apesar do clima continuar extremamente quente.

O futuro para o nosso Estado será a mudança para a energia solar.

Gradativamente vem crescendo a instalação de usinas desta nova fonte de energia limpa.

Com a isenção de ICMS por 8 anos sobre tal energia, conforme prevê a lei 631/2019, com certeza mais e mais consumidores serão incentivados a mudarem de matriz energética, até porque temos sol o ano todo, e esse clima favorece a produção de energia solar.      

Otacilio Peron é advogado da CDL e FCDL

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
01.04.20 08h32 »  E o ser humano?
01.04.20 08h25 »  Renegociação das locações
01.04.20 08h21 »  Covid-19
01.04.20 08h19 »  Sem chão
31.03.20 08h38 »  Todas e todos
31.03.20 08h34 »  Pandemia e holística
31.03.20 08h30 »  O que conta são as atitudes
31.03.20 08h26 »  Urbi et Orbi
30.03.20 08h01 »  Sobre a pandemia de Coronavírus (COVID-19) em Mato Grosso
30.03.20 08h01 »  O pulso ainda pulsa

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO