20.06.2019 | 10h53


ELIZEU NASCIMENTO

Água é vida

Quando ocorre o corte, a taxa de religação é algo lastimável

Sou um emergente sim, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, com muito orgulho. Trago, arraigado em minhas entranhas um histórico de vida, pautada na humildade, em função de ter vivenciado momentos difíceis em minha vida quando criança, em minha cidade natal Tangará da Serra. Na oportunidade, vivenciei momentos difíceis vividos pelos meus pais; principalmente a minha mãe que precisava tirar água de poço, para atender as necessidades básicas da família, naquele período difícil de nossas vidas.

Hoje, me considero vitorioso, não apenas pelo fato de ter conseguido galgar um degrau de destaque, me elegendo deputado estadual, com 21.347, correspondendo a 1,41% dos votos válidos, dos quais, tenho orgulho da minha expressiva votação, tendo em vista, minha origem humilde, além de ser oriundo de uma família sem sobrenome pomposo, e muito menos, possuir  dinheiro para concorrer a uma eleição da magnitude de deputado estadual.

Na condição de parlamentar, faço questão de apresentar projetos de lei, que visem minimizar a dor e sofrimento do grande número de famílias que hoje possuem água tratada, porém quando o corte das mesmas ocorre, o preço para religação delas é imoral e aviltante.

Em função dessa aberração no preço do corte de água, apresentei o projeto de Lei nº 605/2019, durante sessão plenária, na terça-feira (11), projeto este, que dispões sobre a proibição de cobrança de taxa  de religação ou de restabelecimento  dos serviços  públicos de saneamento, em caso de corte por falta de pagamento. 

Na Capital, a concessionária Águas Cuiabá é a responsável pelos serviços de saneamento e distribuição de água tratada, líquido este importantíssimo para o consumo e que traz benefícios ao organismo humano. Este serviço público é considerado serviço essencial; porém quando ocorre o corte do mesmo, a taxa de religação é algo lastimável.

Quando a população de baixa renda não consegue pagar sua conta de água e seu fornecimento é interrompido - mesmo após o usuário quitar sua dívida, inclusive com pagamentos de multas pelo atraso - a referida empresa impõe uma sanção adicional ao consumidor, efetuando a cobrança de uma taxa de religação, para o restabelecimento  dos serviços.

Para população de baixa renda, a empresa responsável  pelos serviços de abastecimento de água e esgoto cobra uma taxa de religação de R$ 56,59 quando o corte é efetuado no cavalete, e se for no ramal (cano), o valor é de R$ 131,07, para o restabelecimento dos serviços.

Eu, na condição de parlamentar, entendo ser injusta essa cobrança, uma vez que, a maioria dos cidadãos não deixariam de pagar suas contas de água pelo bel-prazer em ficar com uma conta vencida. O não pagamento no prazo deve-se ao fato da dificuldade financeira, pela qual passam a maioria das pessoas.

O cair é dos homens, o levantar é de Deus!

ELIZEU NASCIMENTO é deputado estadual.    

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
22.07.19 08h30 »  Trilhos e futuro
22.07.19 08h27 »  PEC 108
22.07.19 08h24 »  O fracasso do grande golpe
22.07.19 08h15 »  O VAR veio para ficar
21.07.19 07h55 »  Os perfis de emprego
21.07.19 07h55 »  Um ano da Academia de Arquitetos e Urbanistas!
21.07.19 07h55 »  Processo de pejotização
21.07.19 07h55 »  Cadê a esquerda?
20.07.19 07h55 »  Suas antenas captam o longínquo
20.07.19 07h55 »  Energia Solar e o anseio por arrecadar

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER