11.11.2019 | 08h27


OPINIÃO / VICTOR ALBUQUERQUE

A Ninfoplastia e o regaste da autoestima

A cada dia, mais mulheres procuram cirurgiões para cirurgia íntima feminina

A cada dia que passa, mais e mais mulheres procuram cirurgiões plásticos com o desejo de realizarem cirurgia íntima feminina, a famosa Ninfoplastia. Cirurgia motivada pela insatisfação como o excesso de pele nos pequenos lábios vaginais e ao redor do clitóris, seguido pela atrofia dos grandes lábios vaginais após perda de peso e o aumento da idade.

Algumas pacientes reclamam de dor, dificuldade de higiene local, problemas ao usarem roupas mais apertadas, roupas íntimas menores, além de dificuldades durante relações sexuais. Porém, outras vezes o desejo pela Ninfoplastia tem apenas motivação estética. Algumas pacientes recorrem ao procedimento buscando uma região vaginal mais harmônica, sem excessos de tecidos.

Cabe ressaltar que a cirurgia retira apenas o excesso de tecidos, já que determinada quantidade de pele é necessária para proteger o canal vaginal e a uretra de infecções urinárias e dores na relação sexual. Retirar pele em excesso pode causar sequelas desagradáveis e permanentes.

No caso da atrofia dos grandes lábios o tratamento é mais simples, feito com preenchimento de gordura retirada da própria paciente através de uma pequena lipoaspiração feita no abdome ou nas coxas.

Com este material, o cirurgião faz a lipoenxertia (técnica de cirurgia plástica que usa a gordura do próprio corpo para preencher, definir ou dar volume) dos grandes lábios, tratando a flacidez e atrofia.

Os procedimentos relatados têm pós-cirúrgico simples. Nas primeiras 48h, a paciente deve ficar de repouso para evitar sangramentos, fazer a higiene local de forma adequada e se abster de relação sexuais por 30 dias

Com estes cuidados, a paciente pode retornar às atividades rotineiras como dirigir e trabalhar após 5 dias de repouso. A sensibilidade e a rotina de vida seguem normalmente.

Termino este artigo ressaltando que a Ninfoplastia devolve autoestima para as mulheres, principalmente para aquelas que desde a adolescência enfrentam desconfortos por falta de acesso aos tratamentos ou a informação sobre este tipo de procedimento cirúrgico.
 
Victor Albuquerque é cirurgião plástico.

 

 

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
16.07.20 08h37 »  O papel dos conselhos profissionais
16.07.20 08h35 »  Revisão de alimentos e prisão civil
16.07.20 08h34 »  É preciso ter sorte!
16.07.20 08h23 »  Os milagres são internos
15.07.20 07h49 »  Para além das fake news
15.07.20 07h47 »  ECA 30 anos!
15.07.20 07h36 »  Há muito ainda a ser feito
15.07.20 07h33 »  STF e a eternidade das ações
14.07.20 09h56 »  O Sonho de Jogar Futebol
14.07.20 08h37 »  Vale do Rio Cuiabá

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO