17.01.2012 | 09h34


OPINIÃO / WILSON CARLOS FUÁ

A felicidade usa máscara



A luta pela sobrevivência é cada vez mais competitiva,  muitos sucessos são construídos com ações agressivas e algumas pessoas para ocupar o lugar da outra usam todo tipo de golpe baixo e por isso a sua vitória não tem sabor e não é comemorada.

Quando o sucesso não vem e as derrotas acumulam, o resultado é a desagregação da família, aumentando o número de jovens que buscam a fuga no consumo de drogas que fatalmente  levará a reprodução da violência urbana de modo insano e covarde. A maioria dos grupos de assaltantes são constituídos por jovens na faixa de 16 a 21 anos, são vítimas também da falta de família, despreparo educacional e carência religiosa.

As nossas felicidades estão calcadas em grandes projetos que  são planejados buscando sempre metas que dificilmente serão alcançadas, e que  estão diretamente ligadas as ações que dependem de outros fatores: depende da sorte; depende de nos formarmos  depois de cinco  longos anos de faculdade; depende de ganhar um prêmio da loteria e às vezes depende de conquistar um amor impossível. Por isso que cada conquista é uma pequena felicidade, e para nos sentirmos felizes, temos que   comemorar essas pequenas vitórias como se fossem um  marco final de cada etapa positiva das nossas vidas.

As pessoas acham que a felicidade plena existe e que ela está logo ali, mas na verdade durante a nossa vida vamos somando pequenas felicidades, e não percebemos porque já faz parte das nossas rotinas.

Muitos vivem a indagar se é necessário percorrer o mundo, descobrir tesouros secretos, ou atravessar o arco-íris para descobrir a felicidade das cores. Quantos não se decepcionam em saber que a felicidade que eles buscam não existe; se não regenerar cada manhã em todos instantes do futuro, e não deixar passar despercebidas pequenas conquistas em forma de sinais que nos ajudam a interpretar e seguir os nossos caminhos.

O importante é saber comemorar e sentir feliz sobre algumas coisas que eram suas e você perdeu, mas hoje voltou a  pertencer-lhes  depois de muitas lutas:  um ex-amor que partiu e hoje  voltou; uma propriedade que você vendeu por necessidade e depois comprou novamente; a cura de uma doença na família; um filho que passou no vestibular ou foi contratado  e dívidas que  conseguiu pagar. Devemos surpreender nossas dúvidas  sem distrações para percebermos os milagres da realidade.

Durante a nossa vida uma pequena vitória custa momentos difíceis, noites sem dormir, e a aflição de  intermináveis dias de espera, por isso é importante que é festejarmos todas as nossas vitórias, por isso que as comemorações são importantes pois elas fazem parte das nossas pequenas felicidades, que na verdade são  celebrações de um triunfo na forma de pequenas conquistas. Ao final de cada  dia temos que celebrar as vitórias desse dia, e que a lembrança de pelo menos uma vitória possa re-desenhar outros projetos para novas guerras nas concorrências que temos que enfrentar na luta que virá no amanhã.

Muitas pessoas evitam demonstrar sua felicidade e não as comemoram, por medo de atrair decepções futuras ou mesmo  para evitar a inveja e o “olho gordo”, mas ao contrário, ao comemorar e agradecer por uma vitória, aumentamos mais a nossa confiança e determinação sobre o nosso dia-a-dia.

Lá  muito longe  no horizonte indefinido você encontrará a sua esperança, basta saber expandir sua mente, vá além, e depois  observe ao seu redor, e perceba que todas as coisa pulsam, tudo em sua volta é pura energia em forma de vida e de amor. As experiências nos enriquecem e mostram a importância das nossas conquistas, e  cada pessoa tem o seu  estilo de vida para nascer e criar  dentro dela mesma ou se agregar a ela, porque cada um se identifica a sua maneira e sabe ao seu modo utilizar os seus próprios ensinamentos em busca das conquistas. Não existe um manual a venda na Banca da Praça da Republica,  que lhe ensina como viver e como ser feliz.

Felizes são aqueles que a cada amanhecer sabem recomeçar  a sua luta do dia a dia como quem observa as pequenas  belezas em sua volta, como se tudo fosse a primeira vez na sua vida e vive calmamente em busca da  paz mesmo depois de um dia tumultuado, sabendo que ao fim desse dia,  ela (a paz) existe dentro do silêncio da  noite abençoada.

Muitos vivem o lado bom da vida; e acreditando sempre que a procura do real que está no  segredo perdido dentro das ilusões do mundo,  até descobrir que a grande felicidade está dentro de nós mesmos e não nas coisas cheias de incertezas ou como num encontro sem um lugar marcado. A felicidade usa máscara e não é identificada porque ela é diluída em momentos felizes.

Economista Wilson Carlos Fuá – É Especialista em Administração Financeira e Recursos Humanos
Fale com o Autor:  fuacba@hotmail.com

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Izi  17.01.12 11h01
Verdade. Para tanto, deixamos de olhar dentro de nos, existe dois lobos: Um é mau e o outro é bom. Se perguntarmos qual lobo vence. Respondo: Aquele que você alimenta.

Responder

0
0
mariana cintra  17.01.12 10h01
muito bom esse artigo! faz a gente refletir....

Responder

0
0

Confira também nesta seção:

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO