24.06.2019 | 08h25


CAIUBI KUHN

A esquerda na Noruega

O Arbeiderpartiet é vinculado ao Partido Socialista Europeu

A Noruega é um dos países mais desenvolvidos do mundo, possui uma das melhores condições de vida, com um alto índice de desenvolvimento humano, além de ser um dos países menos corruptos e mais transparentes do planeta. Mas quem foram os responsáveis por construir esse estado que conseguiu conciliar desenvolvimento social e econômico? O Arbeiderpartiet (Partido Trabalhista) possui uma ideologia de centro-esquerda e desde 1927 é o maior partido do país. Com certeza teve uma grande contribuição na construção do sucesso alcançado neste país nórdico.

O Arbeiderpartiet é vinculado ao Partido Socialista Europeu. É um partido do campo progressista que defende um estado forte e atuante, mas que também garanta as liberdades individuais do cidadão. A Noruega com certeza não é um estado mínimo, nem tão pouco segue a cartilha liberal. É um dos países no mundo com a maior carga tributária e com a maior quantidade de servidores públicos proporcionalmente, cerca de 35% da população ativa conforme a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

A Noruega oferta uma serie de serviços para seus cidadãos, desde educação, saúde, transporte, seguridade social, entre muitos outros. O sucesso do país está vinculado a um tratado social, com divisões claras de funções entre estado e indivíduo, fato que resulta em menos burocracia e mais liberdade para o cidadão atuar mesmo em um dos países onde o estado mais presta serviços a sociedade.

A transparência e igualdade são dois valores presentes nesta sociedade. Os altos impostos cobrados são aplicados com clareza, mas também, para evitar sonegação fiscal, todo cidadão tem acesso as informações sobre a renda de qualquer outra pessoa do país. A igualdade de competição ocasionada por um estado que fornece serviços públicos de qualidade para a população permite o desenvolvimento humano e social de indivíduos das diferentes classes sociais. Os valores pagos a juízes, deputados, professores e encanadores não são tão discrepantes como no Brasil, lá se entende que a igualdade social é o caminho para garantir segurança, desenvolvimento social e econômico.

No Brasil também podemos construir uma sociedade melhor, mais igualitária e com condições de desenvolvimento humano e social para todos. O caminho não está na cartilha liberal, e sim em um estado que consiga ofertar os serviços necessários para o desenvolvimento do cidadão e que garanta qualidade de vida para população. Para isso, precisamos fortalecer a gestão pública buscando mais eficiência e transparência, construindo um tratado social que torne o estado menos burocrático e que fortaleça as empresas e serviços públicos brasileiros. Esse é o caminho que deu certo na Noruega e em muitos outros países no mundo, por que não seguir esse caminho aqui também? 

Caiubi Kuhn

Geólogo, especialista em Gestão Pública e mestre em Geociências pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT); Doutorado em Geociências e Meio Ambiente (UNESP); Docente do Faculdade de Engenharia UFMT-VG;

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
20.10.19 07h55 »  Fronteira
20.10.19 07h55 »  A nação no pelourinho
20.10.19 07h55 »  Saúde emocional
20.10.19 07h55 »  Ato de resistência
19.10.19 07h55 »  O fim do Estado
19.10.19 07h55 »  A fábrica
19.10.19 07h55 »  Dependência digital
19.10.19 07h55 »  Mão de obra já era!
18.10.19 07h55 »  Qual é a sua rota de fuga?
18.10.19 07h55 »  Quem faz o pão

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER