alexametrics
08.01.2012 | 10h27


OPINIÃO / GILBERTO DIMENSTEIN

A cracolândia somos nós



A ação contra o consumo de crack, localizado na região da Luz, provocou incômodo nas classes média e alta --e com certa razão. Afinal, aqueles seres, quase inumamos, com seus andrajos, estão migrando para os bairros mais ricos. E, aí, o que é para muitos só notícia de jornal vira imagem de carne e osso. Passa uma sensação de que São Paulo virou uma grande cracolândia. Vamos reconhecer: não tinha alternativa.

O poder público demorou muito a tomar providência, consentiu com a criação de um território livre para as drogas. E a sociedade aceitou porque a cracolândia tinha fronteira, era quase como se fosse um país estrangeiro. Era problema dos outros.

Mas a verdade é que a cracolândia é um problema de todos. E a solução só vai aparecer se houver uma cooperação dos governos federal (que se dispõe a dar dinheiro), estadual e municipal, em colaboração com as entidades não governamentais e universidades. É uma teia inter e multidisciplinar.

Deveríamos encarar esse problema na base do "vencer ou vencer", um desafio de toda uma cidade.

A cracolândia somos nós.

A cidade de São Paulo conseguiu reduzir, desde o final da década de 1990, em mais de 80% sua taxa de homicídio. Não há razão para não acreditar que, com colaboração e persistência (com muita, muita persistência), a cracolândia vire passado.

Gilberto Dimenstein é jornalista da Folha de SP

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO

Bebe Prime