18.05.2020 | 07h27


OPINIÃO / ONOFRE RIBEIRO

A cara do futuro – Nós e nós – final

Protagonista somos nós mesmos, mas o agente é o coronavírus

Encerro esta série de seis artigos numa pobre tentativa de arranhar as travessuras pelas quais está passando o planeta Terra, o Brasil e nós aqui em Mato Grosso.  O protagonista somos nós mesmos, mas o agente é o coronavírus. Um sujeitinho estranho que conseguiu pôr o mundo de joelhos.    

Não houve aviso prévio. A onda veio no meio de uma crise político-comercial entre a China e os EUA e atingindo todo o mundo porque são as duas maiores potências mundiais. No Brasil ela chegou por volta de 18 de março último. Negada a princípio, depois assumida e depois ainda tornou-se um fenômeno de controvérsias científicas e políticas.

No Brasil o covid 19 tornou-se político e tomou assento nos lugares mais imprevisíveis: Congresso Nacional, presidência da República, Ministério da Saúde, STF, no judiciário e na mídia. Alcançou as ruas na sua pior condição: a de versão distorcida dos fatos reais.

Um Brasil melhor sairá disso tudo. Especialmente porque o péssimo Estado brasileiro terá que se reformar pra sobreviver de algum modo. Vamos aos fatos resumidos.

Até o fim do ano o desequilíbrio fiscal atingirá 100% do PIB de 2020. Estará absolutamente quebrado. Terá que reformar todas as estruturas públicas, estatais, reformar os poderes e aposentar ou demitir milhares de funcionários públicos para um Estado basicamente mínimo.

O Congresso Nacional não terá outro caminho senão reformar e reescrever a corporativa Constituição Federal de 1988 e torná-la efetivamente cidadã na sua funcionalidade e não só em direitos individuais sem cobertura econômico-financeira.     

De tudo isso resultará a redução da maldita burocracia e os emaranhados dos caminhos públicos do governo. Cidadão em primeiro lugar. Estado apenas como facilitador. Não mais como controlador corrupto e gastador sem consciência.      

O leitor deve estar pensando que deliro. Não. Os indicadores são todos nessa direção, até porque o Brasil será um dos países no mundo que melhor sairá da atual crise pra um momento civilizatório novo e moderno. E mais: no curto prazo!       

As dinastias políticas, judiciais, promotoriais, públicas e privadas irão pro lixo da História. Gerações novas assumirão rapidamente os poderes, numa visão de lógica ética muito mais decente e olhando os resultados sociais coletivos. Não os individualismos tribais do Estado.   

A ética da economia, dos bancos, do comércio, dos serviços, da educação, da saúde e dos serviços públicos prestados pelo Estado, entrarão na nova sintonia dos interesses coletivos.     

Enfim, todas as utopias dos filósofos, dos pensadores, dos escritores, dos artistas, dos jornalistas, dos professores e de tantos estudiosos e profissionais liberais sonhadores, se transformarão em realidade.  Diante dos nossos olhos. Já!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
01.06.20 07h13 »  Educação online: um passaporte para o futuro
01.06.20 07h13 »  Gestores públicos em Mato Grosso
01.06.20 07h13 »  Reunião Ministerial
01.06.20 07h12 »  Saber ler, saber escrever, já!
30.05.20 09h10 »  Saindo do controle
30.05.20 09h01 »  Dia Mundial da Energia
30.05.20 08h55 »  A hora do enfrentamento
30.05.20 08h51 »  Estado e o verde-amarelo
29.05.20 08h34 »  Auto exercício de imagem
29.05.20 08h32 »  Coronavírus e o meio ambiente

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO