18.01.2014 | 08h44


NACIONAL / DO VASCO

Torcida Força Jovem é suspensa dos estádios por 1 ano

Neste período ela não poderá comparecer aos estádios. A torcida foi alvo de denúncia por conta do conflito com torcedores do Atlético-PR, em dezembro do ano passado, em Joinville.



O juiz da 1ª Vara Empresarial da Capital, Luiz Roberto Ayoub, suspendeu na tarde desta sexta-feira a torcida organizada Força Jovem do Vasco por 1 ano. Neste período ela não poderá comparecer aos estádios. A torcida foi alvo de denúncia por conta do conflito com torcedores do Atlético-PR, em dezembro do ano passado, em Joinville. Após saber da decisão, a Força Jovem não deve entrar com recurso.

O promotor Paulo José Andrade de Araújo Sally, do Ministério Público do Rio de Janeiro, pediu três anos de suspensão à Força Jovem do Vasco, a principal torcida organizada do clube de São Januário, devido à briga generalizada com torcedores do Atlético-PR, na partida entre as equipes, em Joinville (SC), no último dia 8 de dezembro. Porém, a suspensão ficou mesmo em apenas 1 ano.

O caso teve a sua audiência realizada no cartório da 1ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Citado nominalmente na ação civil pública, Bruno Pereira Ribeiro, conhecido como Bruno Fet, presidente da Força Jovem Vasco, não pôde comparecer à audiência, uma vez que está preso sob acusação de tentativa de homicídio, por participação na confusão que deixou quatro pessoas feridas.

Confira a nota do TJ:

"O juiz da 1ª Vara Empresarial da Capital, Luiz Roberto Ayoub, determinou nesta sexta-feira, dia 17 de janeiro, a proibição da torcida organizada Força Jovem do Vasco (FJV) de frequentar qualquer jogo de futebol e evento esportivo por um ano. A decisão passa a valer já na estreia do clube no Campeonato Carioca, no sábado, contra o Boavista.

A decisão foi tomada com base em uma ação ajuizada pelo Ministério Público após os atos de violência cometidos por integrantes da FJV na partida Vasco x Atlético-PR, no fim do ano passado, pela última rodada do Brasileirão, em Joinville, Santa Catarina.

O juiz também determinou que os integrantes da FJV, e outros denunciados pelo MP envolvidos na briga entre torcedores em Joinville, compareçam à delegacia mais próxima da residência, ou outro local indicado pelo Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (GEPE), 15 minutos antes dos jogos. Eles só poderão deixar o local meia hora após o término da partida. Se descumprirem a decisão, cada réu terá que pagar multa de R$ 2 mil por ocorrência.

“A Constituição da República garante o direito ao lazer e ao desporto (art. 6º e 217), assim como à vida e segurança, não podendo o Estado, nas três esferas do poder, furtar-se às garantias de tais direitos. Nesse contexto, inserem-se as competições esportivas, em relação às quais é direito do consumidor do entretenimento ter sua incolumidade física e moral respeitada”, afirmou o juiz em sua decisão.

Caso descumpra a decisão, a FJV terá que pagar multa de R$ 10 mil (jogos de futebol) e R$ 5 mil (eventos esportivos). O integrante da torcida que desobedecer será retirado de forma compulsória do local e vai responder pelo crime de desobediência.

A Força Jovem do Vasco também foi intimada a entregar um cadastro com a relação de todos os associados. O objetivo é cruzar esses dados com a relação de denunciados pelo MP. A torcida tem cinco dias para entregar a lista de nomes.

A antecipação de tutela deferida pelo magistrado foi tomada com base em uma ação ajuizada pelo Ministério Público. Não houve acordo entre as partes na audiência. Cabe recurso da decisão.
Processo – 0430046-45.2013.8.19.0001"


Leia mais: http://extra.globo.com/esporte/vasco/torcida-forca-jovem-suspensa-dos-estadios-por-1-ano-11334587.html#ixzz2qkXZ7y40











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO