23.05.2020 | 08h22


NACIONAL / VÍDEO DE REUNIÃO

'Não posso ser surpreendido. Tenho a PF que não me dá informações'

Imagens foram divulgadas nesta sexta-feira (22) pelo ministro do STF Celso de Mello. Declaração foi feita durante reunião do dia 22 de abril, cujo vídeo está sendo usado pelo ex-ministro Sergio Moro para provar que a interferência do presidente da Repúbl



O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello divulgou nesta sexta-feira (22) o vídeo da reunião ministerial do governo Bolsonaro de 22 de abril, que integra o inquérito que investiga suposta interferência do presidente da República na Polícia Federal.

Os principais trechos do vídeo estão no centro da denúncia do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, que pediu demissão dois dias depois da reunião. O motivo da saída, ocorrida em 24 de abril, segundo Moro, foi a decisão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de exonerar o diretor-geral da PF, Mauricio Valeixo, contra a vontade do então ministro.

Nesses trechos da reunião ministerial de 22 de abril, Bolsonaro:

  • externou, por diversos momentos, sua insatisfação com as informações que recebe dos serviços de inteligência, que, segundo ele, o desinformam. Ele diz que não pode ser surpreendido com notícias, e menciona a Polícia Federal: "Pô, eu tenho a PF que não me dá informações";
  • revelou ter um "sistema particular" de informações que, segundo ele, funciona, e reclamou que o sistema oficial "desinforma" – em entrevista à rádio Jovem Pan na noite desta sexta, o presidente disse que o "sistema particular" é formado por conhecidos dele;
  • depois de dizer que os serviços de informação são uma "vergonha" e que "não dá para trabalhar assim", afirmou que iria "interferir" – neste momento, ele olhou para o lado em que Sergio Moro estava sentado;
  • disse ter "o poder" de "interferir em todos os ministérios, sem exceção";
  • e mencionou preocupação de que familiares e amigos dele sejam prejudicados porque não pode "trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa".

Moro comentou que a "verdade foi dita, exposta em vídeo".

Na reunião, ao falar em "interferir", Bolsonaro olhou para o lado em estava sentado Sergio Moro, então ministro da Justiça. Veja no vídeo acima por volta de 2'10.

Ao fazer esse comentário, o presidente fazia comparações com os sistemas de informação estrangeiros e criticava o sistema de informações que o abastece. E, ao falar em interferir, se virou em direção a Moro:

Presidente Jair Bolsonaro olha para o lado esquerdo ao falar a palavra 'interferir'; no detalhe, foto da reunião mostra que ex-ministro Sergio Moro estava ao seu lado esquerdo — Foto: Reprodução e Marcos Corrêa/P 

Menção à PF

Na reunião, o presidente reclamou da falta de informações que julga que deveria receber. Este é um dos trechos cuja transcrição já havia sido divulgada pela Advocacia-Geral da União (AGU). Nele, Bolsonaro deixa clara sua insatisfação com os relatórios de informações que a PF, as Forças Armadas e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) fornecem à Presidência.

 

Veja a transcrição deste trecho.

Então é um apelo que eu faço a todos, que se preocupem com política, pra não ser surpreendido. Eu não vou esperar o barco começar a afundar pra tirar água. Estou tirando água, e vou continuar tirando água de todos os ministérios no tocante a isso. A pessoa tem que entender. Se não quer entender, paciência, pô! E eu tenho o poder e vou interferir em todos os ministérios, sem exceção. Nos bancos eu falo com o Paulo Guedes, se tiver que interferir. Nunca tive problema com ele, zero problema com Paulo Guedes. Agora os demais, vou! Eu não posso ser surpreendido com notícias. Pô, eu tenho a PF que não me dá informações.

Eu tenho as ... as inteligências das Forças Armadas que não tenho informações. ABIN tem os seus problemas, tenho algumas informações. Só não tenho mais porque tá faltando, realmente, temos problemas, pô! Aparelhamento etc. Mas a gente num pode viver sem informação. Sem info ... co ... quem é que nunca ficou atrás do ... da ... da ... da ... da ... da ... da ... da porta ouvindo o que seu filho ou sua filha tá ... tá comentando. Tem que ver pra depois que e ... depois que ela engravida, não adianta falar com ela mais. Tem que ver antes ... depois que o moleque encheu os cornos de ... de droga, já não adianta mais falar com ele, já era. E informação é assim.

É uma realidade. Não adianta esconder mais, tapar o sol com a peneira, né? Tem, não é ... em vá ... em alguns ministérios tem gente deles~ aqui dentro, né? Então não queremos brigar com [trecho com tarja] , zero briga com a [trecho com tarja]· Precisamos deles pra vender? Sim. Eles precisam também de nós. Porque se não precisassem não estariam comprando a soja da gente não. Precisam. E é um negócio, pô. E devemos aliar com quem tem umas ... alguma afinidade conosco. Pra gente poder faz ... fazer valer a nossa vontade naquele momento. Não adianta se esconder aqui, depois tem um problema, daí liga pro tio, "O tio". Vou falar "Pô cara, você me ignorou até hoje!". Você só não me chamou de imperialista, igual a esquerdalha e o FHC falavam no passado, no resto ... agora não dá mais. Então essa é a preocupação que temos que ter. A questão estratégica, que não estamos tendo. E me desculpe, o serviço de informações nosso, todos, é uma ... são uma vergonha, uma vergonha! Que eu não sou informado!

E não dá pra trabalhar assim. Fica difícil. Por isso, vou interferir! E ponto final, pô! Não é ameaça, não é uma ... urna extrapolação da minha parte. É uma verdade. Como eu falei, né? Dei os ministérios pros senhores. O poder de veto. Mudou agora. Tem que mudar, pô. E eu quero, é realmente, é governar o Brasil. Não, é o problema de todos aqui, como disse o Marinho, né? É o mesmo barquinho, é o mesmo barco. Se alguém cavar o fu ... cavar no porão aqui, vai, vai todo mundo pro saco aqui, vai todo mundo morrer afogado. Então ess ... isso que a gente precisa, é pensar além do que tem que fazer internanente aqui. Quando explodiu o INMETRO, conversei com o Paulo Guedes. Uma, desculpe o linguajar, uma putaria! Putaria o INMETRO! Trocar tacógrafo, trocar taxímetro, botar chip na bomba de combustível, putaria! Igualzinho a tomada de três pinos. Tá muito bem agora lá. A imprensa enfiou a porrada. "A, botou um coronel" . Coronel é formado pelo IME. Num ia botar um coronel sem u ... sem uma formação, tá

Sistema 'particular'

Ainda na reunião, Bolsonaro revela que tem um sistema "particular" de informações que funciona e que o sistema oficial desinforma. Ele também afirmou que já tentou trocar gente "da segurança nossa" no Rio de Janeiro, e que não conseguiu. E que "isso acabou".

Em seguida, disse que não iria "esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa".

"Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou. Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira.

Ainda na reunião, Bolsonaro xingou governadores, criticou ações contra a Covid-19, entre outras afirmações: veja ponto a ponto o que o presidente e os ministros disseram.

A reunião ministerial

A reunião ministerial citada por Moro aconteceu em 22 de abril. Além do presidente Bolsonaro, estavam presentes o vice, Hamilton Mourão, Moro e outros ministros. Ao todo, 25 autoridades participaram do encontro.

Conforme diálogos do encontro, que já tinham sido transcritos pela Advocacia-Geral da União no último dia 14, Bolsonaro reclamou da falta de informações da Polícia Federal e afirmou que iria "interferir". A declaração, no entanto, não deixa claro como ele faria isso.

A defesa de Moro pediu ao STF que divulgue a íntegra do material. Celso de Mello, então, pediu pareceres à AGU e à PGR.

As respostas foram:

Procuradoria Geral da República: Defendeu a divulgação somente de falas do presidente. Queria que o recorte seja dos trechos que tratam da atuação da Polícia Federal, da "segurança", do Ministério da Justiça, da Agência Brasileira de Inteligência e da alegada falta de informações de inteligência das agências públicas.

Advocacia Geral da União: Defendeu a divulgação das falas de Bolsonaro, mas não das falas dos demais participantes da reunião.

Mudança no governo põe em xeque versão

Até o momento, o presidente insiste que as queixas que fez, ameaçando até demitir ministro, se referiam à segurança dele, da família e de amigos no Rio de Janeiro e à tentativa frustrada de substituir pessoas do setor.

O presidente mesmo disse que a segurança dele é responsabilidade do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Mas uma apuração do Jornal Nacional, publicada no dia 15 de maio, mostra que o presidente tinha promovido o responsável pela segurança 28 dias antes da reunião -- em vez de demiti-lo. E ainda promoveu, para o lugar dele, o número dois da diretoria.

E, mesmo no Rio de Janeiro, houve troca na chefia do escritório do GSI menos de dois meses antes da reunião ministerial.

O general André Laranja Sá Correa é o comandante da Oitava Brigada de Infantaria Motorizada do Exército, localizada em Pelotas (RS), desde o dia 31 de março deste ano. É uma posição importante na estrutura do Exército, já ocupada, entre outros, pelo atual ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Mas, até o dia em que foi promovido, o general Sá Correa era diretor do Departamento de Segurança Presidencial, cargo que ocupava desde o começo do ano passado. O Departamento de Segurança Presidencial faz parte da Secretaria de Segurança e Coordenação Presidencial do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI).

Cronologia

24 de abril, manhã: Sergio Moro se demite do cargo de Ministro da Justiça, e diz que Jair Bolsonaro interferiu na PF ao demitir o então diretor-geral do órgão, Maurício Valeixo, e insistir na troca do comando da PF no Rio de Janeiro.

24 de abril, tarde: Jair Bolsonaro faz pronunciamento cercado pela maioria de seus ministros e diz que Moro propôs aceitar demissão de diretor da PF se fosse indicado ministro do STF. O presidente nega interferência mas diz que pedia a Moro, e nunca obteve, um relatório diário das atividades da PF para poder tomar decisões de governo.

24 de abril, noite: Jornal Nacional revela parte das mensagens trocadas entre o ex-ministro e a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), em que ela tentava convencer Moro a permanecer no cargo.

24 de abril: Procurador-geral da República, Augusto Aras, solicita abertura de inquérito para apurar declarações de Moro

27 de abril: Celso de Mello autoriza inquérito no STF para apurar declarações de Moro com acusações a Bolsonaro

2 de maio: Ex-ministro Sergio Moro presta depoimento de mais de 8 horas na sede da PF em Curitiba

6 de maio: Celso de Mello determina que vídeo seja entregue pelo governo em 72 horas

6 de maio: AGU vai ao STF para tentar rever decisão que mandou entregar vídeo de reunião citada por Moro

9 de maio: PGR pede acesso à integra do vídeo de reunião entre Bolsonaro e Moro

14 de maio: Divulgada a íntegra da troca de mensagens entre Moro e Zambelli; deputada diz a Moro que Bolsonaro 'vai cair se o sr. sair'

14 de maio: AGU pede ao STF que libere somente as falas do presidente Jair Bolsonaro; defesa de Moro alega que a petição omite trechos relevantes para a compreensão correta da fala do presidente, e reforça pedido para publicar vídeo na íntegra.

15 de maio: Jair Bolsonaro admite, pela primeira vez, que citou a PF no vídeo da reunião ministerial e confirmou que a transcrição da Advocacia-Geral da União está correta.

19 de maio: Celso de Mello assiste à íntegra do vídeo da reunião ministerial

24 de maio: Celso de Mello divulga o vídeo da reunião











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

REMÉDIO POLÊMICO

Você tomaria hidroxicloroquina caso contraísse Covid-19?

Sim. O remédio está no mercado há 70 anos

Não. O remédio não tem comprovação de pesquisa para Covid

Não. Cloroquina é o remédio do Bolsonaro

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO