10.10.2019 | 15h10


ERRO MÉDICO

Mulher relata cesárea sem anestesia

Traumatizada, a professora Rachel Somerstein teve que lutar para se relacionar com a filha



Você é capaz de imaginar a dor de uma mulher ao ser submetida a uma cesárea sem anestesia? Parece impossível, mas aconteceu há poucos meses com a jornalista e professora Rachel Somerstein, 37 anos, que relatou o episódio ao jornal Longreads.

“As histórias de nascimento têm esse impulso narrativo inexorável, suportado pela tensão de saber o que vai acontecer, mas não como você chegará lá. Eu pensei que sabia como seria minha história.

Eu nunca poderia ter previsto o que aconteceu: meu obstetra realizou uma cesariana sem anestesia. Continue, leia novamente. Por causa do erro do anestesista e do desejo do obstetra de fazê-lo, fiz uma grande cirurgia abdominal sem anestesia. Em um hospital, nos Estados Unidos, em 2016. É mais comum do que você imagina.

Eu não tinha lido o capítulo do livro "O que esperar quando você está esperando" sobre cesarianas. Embora eles constituam mais de 30% dos nascimentos nos Estados Unidos, achei que não precisava. Eu não ia ter um. Caminhei cinco quilômetros por dia no meu terceiro trimestre. Eu fiz ioga durante a gestação. Eu havia contratado uma doula para assistir o meu parto. No geral, agi da mesma maneira que antes de engravidar.

Após 24 horas em trabalho de parto, eu fiz força para empurrar, o que pareceu um curto período de tempo – mas o que não parece curto quando você está em trabalho de parto há quase um dia? ¬– quando a parteira sussurrou em meu ouvido: “Acho que é hora de ligar para a equipe e fazer uma cesariana. Ela explicou que, em meio à pressão, o batimento cardíaco do bebê não estava retornando a níveis que pareciam seguros. Além disso, ela disse que o bebê e eu estávamos exaustos.

Eu devia saber que algo ia dar errado, porque eu perguntei se eu ia morrer, se meu bebê ia morrer. Eu assinei papéis, coisas que eu não conseguia, o que liberou a equipe médica de indenizações que realmente aconteceriam, mas que eu nunca sonhei ser possível.
Então eu esperei. Foram necessários 40 minutos para reunir a equipe cirúrgica.

Quando cheguei à sala de operações para a cirurgia, eu estava basicamente pelada e tinha um bebê lá embaixo no meu canal de parto. Estava claro e frio e todo mundo vestia roupas. Eu estava consciente o suficiente para me sentir envergonhada com estrias e corpo peludo.

Deitei-me na beira da cama, minhas costas curvadas, enquanto o anestesista tentava acertar a epidural. Ele lutou para colocá-lo no lugar certo. Ele me pediu para mudar de posição, para curvar mais minhas costas. As contrações acenaram. Meu corpo ainda estava tentando empurrar o bebê.

De acordo com a Sociedade Americana de Anestesistas, a epidural é o anestésico preferido para cesarianas, porque expõe os bebês a um baixo nível de medicação, além de aliviar a dor da mãe e permitir que ela “participe” do parto.

 

O procedimento requer habilidade. Se o profissional colocar uma dose alta, a mãe ficará temporariamente paralisada, o que pode afetar sua respiração. Descobri que uma dose baixa não funciona.

Se o obstetra continuar assim mesmo - separando os músculos, entrando no peritônio, expondo a bexiga - você sentirá toda a operação.

Caso você esteja se perguntando, o obstetra notou. Ele até escreveu sobre minha dor em suas anotações cirúrgicas: “Observou-se que a paciente estava tendo muita dificuldade em lidar com a dor e estava gritando. Ela também estava mexendo as pernas", escreveu o obstetra. A anestesia geral estava sendo discutida assim que o bebê era entregue.

Lembro-me de minhas pernas chutando como se fugissem da maca. Não me lembro da bebê saindo. As anotações cirúrgicas me dizem que ela foi pesada e avaliada.

Meu corpo permaneceu em cima da mesa. A placenta foi entregue, o útero foi removido do meu corpo e limpo de coágulos e detritos. “Devo também observar que a paciente após o parto teve muita dor e, por isso, tomou uma anestesia geral neste momento”, escreveu o obstetra em suas anotações clínicas de voz passiva.

A doula me trouxe minha filha quando acordei na sala de recuperação, mas eu não conseguia olhar para ela. Eu estava com muita dor. "Eu não quero vê-la", eu disse. “Não, não, não, eu não quero vê-la. Eu não posso vê-la. Leve-a embora!”

E você pode imaginar se ela lê isso? Se ela descobrir que, na sua situação mais vulnerável, nas primeiras horas de vida, eu a mandei embora?

Minha pele parecia ter eletricidade por dentro e eu não queria tocá-la, nem ninguém. Também não queria ver ninguém.

O anestesista fez a única coisa humana: pediu desculpas. Foi o pior erro que ele já cometeu, ele disse, com o rosto pálido.

Eu disse a ele: "Eu não vou processar você." E eu não fiz. Em parte porque não queria. Eu responsabilizei o obstetra que não me ouviu, que continuou a me cortar em meio aos meus gritos”.

Quase quatro anos depois, os sentimentos de tristeza ainda estão vivos para mim. Às vezes ainda sinto que meu dano psíquico interno é visível, que se você me vir andando pela rua, verá uma pessoa ferida. Às vezes, pego vislumbres de mim mesmo nas vitrines das lojas e fico surpresa por parecer toda normal. Para olhar para mim, você nunca saberia. Mas é meu trabalho proteger minha filha desses sentimentos, mudar a narrativa do jeito que ela começou”.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER