20.11.2019 | 08h54


CASO ABSURDO

Menina de 3 anos é espancada até a morte em São Paulo; mãe e padrasto são presos

Os dois chegaram com a criança já morta no hospital.



São Paulo - Uma menina de 3 anos morreu vítima de espancamento na zona leste de São Paulo, nesta terça-feira (19). A mãe e o padrasto de Micaelly Luiza de Souza Santos são os principais suspeitos do crime e foram presos após levá-la ao hospital Planalto, que fica na região de Itaquera. As informações são do jornal Bom Dia SP.

O principal suspeito de cometer as agressões é Ewerton Queirós Lourenço, de 30 anos, namorado da mãe da menina, Isadora Pereira de Souza, de 20 anos. Os dois chegaram com a criança já morta no hospital e foram detidos e levados ao 22º Distrito Policial de São Miguel, mas negam o crime.

A causa da morte ainda será confirmada pelo laudo do Instituto Médico Legal (IML), mas o delegado local pediu a prisão temporária do casal por cinco dias e agora aguarda a decisão da Justiça. Em 5 de novembro, a jovem já tinha sido internada no hospital Tíde Setúbal, na Vila Dr. Eiras, com suspeitas de espancamento.

Diretor do hospital, Carlos Alberto Velucci disse ao portal G1 que a criança chegou ao local com "hematomas na face, hematomas no tórax e nos membros". "Nós avisamos a delegacia, o conselho tutelar, tomamos as providências. Ela foi ao IML fez o corpo de delito, foi internada até o dia 18 [de novembro]", afirmou.

Após a denúncia, a Justiça determinou que a avó materna de Micaelly passasse a ter sua guarda provisória por seis meses. Ao receber alta médica, no entanto, a avó levou a garota para a casa da mãe.

A polícia diz que, em menos de 24 horas, Micaelly foi espancada até a morte e sofreu ainda violência sexual. Às autoridades, o casal disse que a menina caia muito e que esse era o motivo dos vários ferimentos e machucados. Para o delegado do caso, no entanto, as explicações foram insuficientes e sem sentido.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO