20.07.2019 | 09h19


DOENTIO

Mãe é suspeita de arrastar e tentar asfixiar filha logo após o parto

Delegada responsável pelo caso, Caroline Borges, investiga se a mulher tem algum problema psiquiátrico



Uma mulher de 32 anos é suspeita de tentar matar a filha logo após o parto, em Goiânia. Segundo o Conselho Tutelar, a mãe disse que arrastou a recém-nascida do banheiro para o quarto pelo cordão umbilical, e, em seguida, tentou asfixiá-la.

A vítima nasceu em casa, na última terça-feira (16). De acordo com o conselheiro tutelar Valdivino Silveira, a mulher percebeu que não tinha conseguido matar a filha e pediu ajuda a uma vizinha, que conseguiu levá-las para uma maternidade.

Mãe e filha seguem internadas, até esta sexta-feira (19), e passam por exames. A delegada Caroline Borges, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), investiga se a mulher passa por alguma alteração psiquiátrica.

“Vamos pedir exames de corpo delito da neném e da mãe. Ela também deve passar por uma avaliação psiquiátrica para saber se estava em estágio puerperal. Também vamos ver a possibilidade de ouvi-la formalmente na delegacia, quando ela tiver alta médica, ou ainda no hospital”, detalhou a delegada.

O Conselho Tutelar informou que a mulher tem mais dois filhos: sendo um de 14 e outro de 3 anos. O mais velho estaria na casa de um vizinho quando tudo aconteceu. Conforme o conselheiro, o menino mais novo estava na residência no momento do parto, mas não viu nada.

O órgão deve avaliar a possibilidade de as crianças ficarem com o pai ou algum parente até que a mãe seja avaliada.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER