20.11.2013 | 09h09


NACIONAL / GOIÁS

Justiça define guarda de 56 pit bulls após denúncia de maus-tratos

Dona da tutela provisória teme que animais sejam explorados novamente


GO

A Justiça deve decidir na tarde desta quarta-feira (20) quem vai ficar com os 56 cães da raça pit bull que foram encontrados pela polícia, em março deste ano, com sinais de maus-tratos, em Aparecida de Goiânia. A guarda dos cães é disputada pelo dono dos animais, Camilo Godinho Neto, e por Meibel Veríssimo, coordenadora do Recanto dos Pit Bulls, onde os cachorros estão desde que foram encontrados.

Veíssimo possui a tutela temporária dos cães, mas teme pelo futuro deles: “Tenho medo de que a juíza entenda que ele [o dono] tem condições de cuidar. Se ele quisesse cuidar, ele teria cuidado”, declara Meibel.

Em entrevista ao G1, em junho, quando ocorreu a primeira audiência do processo, o dono da chácara em que os animais foram encontrados negou que cuidasse mal dos cães. "Crio animais há dez anos. O aspecto de magreza é típico daquela raça", disse. Procurado nesta terça-feira (19), ele não foi localizado para comentar o caso.

Pessoas ligadas a grupos de defesas dos animais estão se mobilizando pelas redes sociais para protestar na porta do Fórum de Aparecida de Goiânia, no horário da audiência, marcada para as 14 horas. “Acredito que vá mais pessoas que na última audiência. Estimo que 100 pessoas devem aparecer para nos apoiar, mesmo sendo em horário comercial”, afirma Veríssimo.

Gastos

A coordenadora do Recanto dos Pit Bulls acredita que, se os animais voltarem a viver na chácara em que foram localizados, eles serão maltrados. “Ele [dono] precisa de dinheiro e de um espaço grande para cuidar dos cães. A gente gasta cerca de R$ 15 mil com esses animais, mas eles são apadrinhados. Ele é sozinho para cuidar de todos”. Veterinários que avaliaram os animais acreditam que eles participavam de rinhas.

O processo cabe recurso, mas Meibel espera que a sentença seja realmente dada na quarta-feira. “Se ele quiser recorrer, que ele tenha que recorrer em outra instância”. Além da guarda dos cães, a coordenadora quer autorização para que eles sejam castrados. Assim, eles podem ser encaminhados para a adoção.

Abandono

Os animais foram localizados no dia 8 de março deste ano, depois que policiais resolveram apurar uma denúncia anônima de porte ilegal de armas. Chegando ao local, além de comprovarem o crime, encontraram 57 cães vivendo em situação de abandono - um deles morreu no decorrer deste período. Outros 55 galos também foram localizados na chácara.

Por conta da situação, o Ministério Público acabou oferecendo denúncia de maus-tratos contra Neto. Ao saber do fato, Meibel, que também é diretora do Hammã, grupo de apoio a animais abandonados, requereu e ganhou na Justiça a tutela provisória dos cães. No dia 11 de abril, ela foi até a chácara, que fica no Setor Jardim Continental, e resgatou os bichos. Antes, ela já havia encontrado um local para eles ficarem. Foi quando surgiu o Recanto dos Pit Bulls.

"Lá era um canil abandonado [no Jardim Presidente, em Goiânia]. Aluguei por R$ 2 mil mensais e conto com a ajuda dos padrinhos e voluntários para mantê-lo. Lá já tinha 40 baias para os cães. Após um mutirão, construímos as 16 que faltavam. Também arcamos com despesas de alimentação e tratamento médico", disse Meibel. Ela afirma que muito da ajuda que o grupo recebe vem de simpatizantes da causa, que aderem o movimento pelo Facebook.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO