08.11.2019 | 14h25


CONSULADO INVESTIGA

Cearense e bebê são encontrados mortos dentro de casa na Holanda

Patrícia de Oliveira dos Santos viajou grávida de oito meses para a cidade de Diemen, na Holanda, para encontrar o namorado.



Uma cearense de 32 anos e o bebê foram encontrados mortos dentro de casa na cidade de Diemen, na Holanda. De acordo com o irmão de Patrícia de Oliveira Santos, a família foi informada sobre as mortes no dia 18 de outubro, mas até agora não tem mais informações sobre os corpos. Um homem foi preso, mas a família da cearense ainda não sabe se ela foi assassinada ou se morreu de causas naturais.

O Consulado-Geral do Brasil em Amsterdã confirmou as mortes e informou ao G1 que acompanha o caso e está em contato com familiares da brasileira. A reportagem também entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores e com o Consulado da Holanda em Fortaleza, mas ainda aguarda resposta.

Patrícia de Oliveira Santos é natural de Fortaleza e tinha um relacionamento de três anos com um holandês, identificado apenas como Dennis, de 48 anos. O namorado vinha da Holanda frequentemente para visitar a cearense e passava cerca de três meses com ela na casa da família em Fortaleza.

Em uma das visitas do holandês, Patrícia de Oliveira engravidou e o namorado resolveu levar a cearense para morar na Holanda. Ele enviou as passagens aéreas e a mulher resolveu se mudar do Ceará.

Grávida de oito meses, a brasileira embarcou para Amsterdã no dia 28 de setembro, deixando dois outros filhos pequenos, de oito e nove anos em Fortaleza.

Conforme a Defensoria Pública da União (DPU), a prioridade no momento "é esclarecer os fatos". "A DPU/CE irá oficiar o Ministério das Relações Exteriores sobre a situação e solicitará diligências por parte do consulado brasileiro em Amsterdã no sentido de apurar a ocorrência do óbito", informou o órgão por nota.

Sem contato com a família

 

Segundo a família, Patrícia mantinha contato todos os dias e relatava que tudo estava bem. Entretanto, depois de algumas semanas o cenário mudou. Ela passou a dizer por meio de mensagens nas redes sociais que o companheiro tinha se tornado ciumento e agressivo e que não queria mais que ela tivesse a criança, incentivando-a inclusive a abortar.

Patrícia informou que teria que deixar de manter contato frequente com a família, pois o namorado não gostava que ela ficasse no celular. A partir de então, os parentes não tiveram mais contato algum com a mulher.

Somente no dia 18 de outubro, o irmão da vítima recebeu a notícia da morte de Patrícia. Ela teria sido encontrada morta dentro de casa ao lado do corpo do bebê, segundo o consulado.

Falta de informações

 

A família não tem informações sobre as circunstâncias da morte da cearense nem se o bebê encontrado morto é o filho que Patrícia esperava, quando saiu do Brasil.

O Consulado-Geral do Brasil está acompanhando o caso, mas não repassou detalhes sobre o ocorrido. "Em atendimento ao direito à privacidade dos envolvidos, bem como à Lei de Acesso à Informação e ao decreto 7.724, o Itamaraty não pode fornecer informações adicionais sobre o assunto", informou o órgão em nota.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO