22.11.2013 | 07h46


NACIONAL / Prêmio da música

Caetano Veloso e Roberto Carlos levam Grammy Latino

Caetano, Roberto Carlos, Jota Quest e Victor e Leo levaram troféus.



Discos de Caetano Veloso , Roberto Carlos, Victor e Leo e Jota Quest, entre outros, renderam prêmios ao Brasil no Grammy Latino 2013. A cerimônia aconteceu nesta quinta-feira (21) no centro de eventos do hotel e cassino Mandalay Bay, de Las Vegas, nos Estados Unidos.


O colombiano Carlos Vive levou três prêmios: melhor canção e melhor canção tropical, ambos por “Volvi a nacer”, e melhor álbum tropical, por “Corazón profundo”.
O ex-menudo Draco Rosa ganhou o troféu por melhor álbum, com “Vida”, enquanto o norte-americano Marc Anthony faturou o prêmio de melhor gravação, por “Vivir mi vida”.
Nas categorias destinadas exclusivamente à música brasileira, os premiados foram "Esse cara sou eu", de Roberto Carlos (melhor música); "Salve Gonzagão: 100 anos" (disco de raízes); Redescobrir, de Maria Rita (MPB); "Eletrosamba", de Alexandre Pires (samba e pagode); "Ao vivo em Floripa", de Victor e Leo (música sertaneja); "Ao vivo no Rock in Rio", do Jota Quest (rock); "Músicas para churrasco", de Seu Jorge (pop); e "Profeta da esperança", de Kleber Lucas (música cristã).


Entre os prêmios abertos a todos os artistas latinos, Nelson Freire foi o primeiro músico do Brasil com prêmio anunciado, para "Brasileiro", na categoria de música clássica. Já o encarte do álbum "Abraçaço", de Caetano, deu a Tonho Quinta-Feira & Fernando Young o prêmio de melhor design de disco. Caetano também ganhou na categoria "Melhor disco de cantor e compositor", com "Abraçaço".











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO