16.08.2016 | 20h52


TERRENO NA BEIRA RIO

Empresário revela ter pago propina de R$ 27 mil a ex-secretário César Zílio

Atualmente, Zílio responde como réu em ação penal, mas tem acordo de delação premiada que pode atenuar sua pena.


DA REDAÇÂO

O Ministério Público Estadual (MPE) conseguiu juntar aos autos do processo da operação Sodoma mais um empresário que afirma ter pago propina para o ex-secretário de Administração, César Roberto Zílio. Trata-se do empresário Fernando Augusto Canavarros Infantino, dono da JFP Serviços Ltda, que disse, em audiência realizada nesta terça-feira (16), na Sétima Vara Criminal, ter entregado um cheque no valor de R$ 27.945,66 para César Zílio, no dia 7 de fevereiro de 2013. O cheque, posteriormente, foi utilizado por Zílio na compra de um terreno de 30 mil metros quadrados, na Avenida Beira Rio, no bairro Grande Terceiro, no valor de R$ 13 milhões.

Delator afirma que Zílio pagou com cheques de extorquidos e caixa de dinheiro

Em seu depoimento, Infantino explicou que no final do ano de 2010, foi convidado por um representante da empresa Delta para operar, por meio da empresa dele, serviços de locação de automóveis para o Governo do Estado e coleta de lixo para a Prefeitura de Cuiabá. O serviço começou a ser operado em fevereiro de 2011, já na gestão do ex-governador Silval Barbosa, quando César Zílio assumiu a Secretaria de Estado de Administração (SAD). 

"Fui saber depois que esse cheque foi dado para a compra de um terreno. Não sei se o Estado quitou toda a dívida com a Delta. Eu saí desse negócio com a Delta logo depois", disse Fernando

No ano de 2012, a Delta encerrou a parceria de locação de veículos junto a JFP Serviços devido à problemas em receber os pagamentos do governo. No ano seguinte, um representante da Delta, Rafael Mendonça, veio à Cuiabá para tratar dos pagamentos pendentes do governo e pediu que Fernando Infantino fosse junto com ele na SAD para fazer a cobrança ao então secretário César Zílio. O empresário não informou qual era o valor da dívida do governo com a Delta. 

Após esse encontro dos empresários com o ex-secretário, Fernando afirma que as tratativas passaram a ocorrer somente entre Zílio e Mendonça, mas que o representante da Delta disse que o ex-gestor havia solicitado uma "recompensa", um "retorno" para que os pagamentos fossem liberados. Mendonça então orientou que Fernando Infantino entregasse um cheque de pouco mais de R$ 27 mil a Zílio, sem entrar em mais detalhes e partiu para Goiânia, onde fica a sede da Delta.

O dono da JFP Serviços Ltda afirma que assinou o cheque da empresa no valor de R$ 27.945,66 e o entregou diretamento ao ex-secretário. Segundo ele, após a entrega desse "retorno", os pagamentos da SAD à Delta passaram a ocorrer de maneira fluida.

Depois disso, os dois ainda se encontraram duas vezes no escritório de contabilidade do ex-secretário, localizado no bairro Santa Rosa, para acompanhar se os pagamentos à empresa estavam ocorrendo conforme o combinado. "Fui saber depois que esse cheque foi dado para a compra de um terreno. Não sei se o Estado quitou toda a dívida com a Delta. Eu saí desse negócio com a Delta logo depois", disse Fernando à juíza Selma Rosane Santos Arruda. 

Ainda segundo o depoimento de Infantino, ele aceitou intermediar a negociação do representante da Delta com o ex-secretário porque a empresa dele também dependia disso para receber os valores referentes aos serviços prestados.

 

 

 

 

 

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER