17.12.2016 | 12h10


APÓS DEPOR NO GAECO

Alan Malouf oferece bens como garantia de prejuízo ao Estado

Há a suspeita de que empresário teria firmado acordo com o MPE para delata beneficiados com esquema na Seduc



O empresário Alan Malouf informou, neste sábado (17), por meio da assessoria de imprensa, que já apresentou à Justiça parte de seu patrimônio pessoal como forma de garantir o juízo para eventual ressarcimento de prejuízos causados pelo esquema de fraude na Secretaria de Estado de Educação.

Na tarde de sexta-feira (16), Malouf prestou depoimento aos promotores do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

O processo envolvendo o empresário corre em segredo de Justiça. Uma vez que o teor do depoimento é sigiloso, o Ministério Público Estadual não divulgou o teor.

Nos bastidores, no entanto, a informação é de que Malouf teria firmado com o MPE um acordo para revelar todos os lances do esquema de fraude em licitações e de pagamento de propina com dinheiro desviado da Seduc.

Um dos objetivos seria reaver cerca de R$ 10 milhões que ele teria doado à campanha do governador Pedro Taques (PSDB).

Esse dinheiro teria sido doado em de Caixa 2, de acordo com delação do empreirteiro Giovani Guizardi, réu confesso do esquema.

Na nota divulgada neste sábado, Malouf lembra que, desde o inicio das investigações, ele está à disposição das autoridades, tendo, inclusive, se apresentado espontaneamente para o cumprimento da decisão que determinou sua prisão.

Confome a assessoria, essa decisão demonstra que ele "não irá atrapalhar qualquer investigação, bem como tem prestado as informações solicitadas para o esclarecimento dos fatos".um esquema de fraudes em licitações de obras na Secretaria de Estado de Educação.

O empresário foi preso na última quarta-feira (14), acusado de participação no esquema de corrupção

Ele está detido no Serviço de Operações Especiais (SOE), da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), no bairro Centro América.

Delação

Após fazer acordo de delação premiada com o MPE, depois de ficar sete meses na cadeia, o empreiteiro Giovani Guizardi citou Alan Malouf como o principal nome do esquema de fraudes.

Segundo ele, 50% da propina arrecadada eram entregues a ele e o restante, dividido com o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB).
 

Na delação, Guizardi, que é dono da Construtora Dínamo, também afirmou que Alan Malouf teria doado R$ 10 milhões à campanha do governador Pedro Taques (PSDB), em 2016.

Confira a íntegra da nota de Alan Malouf:

"A defesa de Alan Malouf informa que o empresário prestou depoimento na tarde desta sexta-feira (16), na sede do Gaeco, e que foi importante para poder exercer seu direito constitucional de ampla defesa.

Como o processo corre em segredo de justiça, o teor do depoimento é sigiloso e as manifestações da defesa ocorrerão somente nos autos do processo.

O empresário já apresentou bens como forma de garantir o juízo para eventual ressarcimento, até que se encerre o processo.

 Reiteramos que desde o inicio das investigações ele está à disposição das autoridades, tendo, inclusive, se apresentado espontaneamente para o cumprimento da decisão que determinou sua prisão, demonstrando que não irá atrapalhar qualquer investigação, bem como tem prestado as informações solicitadas para o esclarecimento dos fatos.

Assessoria de Imprensa"











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER