12.10.2013 | 11h55


CRIME BRUTAL

Fazendeira de MT é estuprada e morta; corpo é jogado em fogueira

Caminhonete e restos mortais da fazendeira foram encontrados escondidos na mata.



A fazendeira Marta Alves Ishiba, de 60 anos, que estava desaparecida há uma semana, na cidade de Juína, foi encontrada morta, em uma região de mata, próximo à cidade. Marta foi violentamente assassinada, depois teve o corpo queimado. A polícia suspeita ainda que a fazendeira tenha sido torturada e estuprada, antes de morrer.

O corpo foi encontrado por peões que tocavam uma boiada nas imediações. De longe eles avistaram a caminhonete da fazendeira, uma Mitsubishi L-200. Ao se aproximaram, encontraram parte do corpo de Marta, carbonizado. Alguns membros da vítima foram encontrados distantes da fogueira, que segundo os peões, podem ter sido arrancados e arrastados por animais da região.

O corpo foi queimado ao lado da caminhonete, prata, que pertencia à vítima. Dentro do carro, foram encontrado os pertences, a bolsa e os documentos de Marta. Próximo à fogueira, a polícia encontrou preservativos, fitas adesivas, além de cordas, levantando a suspeita de que a mulher teria sido torturada e estuprada.

Os restos mortais da fazendeira foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML). Um exame de identificação foi feito para comprovar a identidade da vítima.

Marta Alves foi vista pela última vez há uma semana, quando saiu de sua fazenda para vender uma de suas propriedades. Segundo a família, na última vez que foi vista, a fazendeira saiu dizendo que iria mostrar uma de suas propriedades rurais há um comprador que teria oferecido R$ 2 milhões.

A execução está sendo investigada pela Polícia Civil e os policiais não descartam que a motivação seja vingança. Ninguém foi preso até o momento.

Com informações do site Juína News.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

madalena  13.10.13 16h40
infelismente a justiça do brasil vamos falar claro e uma merda uns crimonosos desses deveriam morer mesmo eu sou a favor da pena de morte no brasil pra crimes como este .

Responder

0
0
João Vicente   12.10.13 14h24
Eu não tenho dúvida que crimes como esses ou semelhantes a esse, quando pegarem os culpados, tem que fazer como fazem lá no mundo árabe e outros países. Tem que amarrá-los numa praça pública e na frente da população interessada, irem regularmente arrancando parte a parte de seus membros e deixando sangrar até quase morrer. Quando tiverem bem próximo de morrerem, é tacar fogo mesmo e já mandá-los irem queimando para o inferno. Mas, infelizmente muitos desses que fazem esses crimes continuam soltos e quando são pegos a própria justiça manda soltar com pouco tempo. Agora, vai um cidadão roubar uma roupa no varal, roubar uma bicicleta ou casar duas vezes pegando nome de outro como exemplo na novela Amor à Vida ou mesmo ter praticado alguma subtração mínima dos cofres do governo (o governo é bonzinho com a população né), esses casos pífios a justiça capricha bem no tempo que essas pessoas vão ficar na cadeia. É incrivelmente ridícula essa nossa justiça.

Responder

0
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER