13.07.2020 | 21h16


GERAL / SUPOSTO ACIDENTE

Vídeo mostra jovem que matou amiga treinando em campo de tiro; veja

As imagens postadas no Instagram mostram que B.O.C. tem habilidade com armas.



Um vídeo postado no Instagram mostra a adolescente B.O.C., de 14 anos, responsável por atirar e matar a amiga Isabele Guimarães Ramos, 14, no domingo (12), treinando em um campo de tiros.

Como já havia adiantando o , B.O.C é atiradora esportiva e treina junto com o pai, identificado como M.M.C., há três anos.

Na gravação, é possível ver que a menor tem habilidade com a arma. Ela acerta todos os tiros no alvo indicado, além de fazer a troca do pente da pistola com muita agilidade.

Adolescente já participou, por exemplo, do 1º Torneio Intermunicipal (CTECV) de tiro na categoria Hangdung- Light, em fevereiro passado. Apesar de ser menor de idade, uma decisão da Justiça permite que ela participe desse tipo de competição.

 

 

E foi exatamente o que aconteceu no domingo, quando pai e filha treinaram durante o dia e voltaram para o Alphaville no final da tarde. Já no início da noite, a adolescente teria recebido Isabeli em casa.

Como foi explicado à reportagem, é de costume que após um dia de prática, ao voltarem para casa, os atiradores realizarem a limpeza das armas antes de as guardarem dentro de um cofre trancado, como manda a legislação para os procedimentos de segurança.

De tal forma, segundo relato do amigo da família, o pai da adolescente chegou à residência e foi se encarregar da limpeza das armas usadas durante o dia. Em determinado momento, o pai teria chamado a filha, que já tem experiência em manusear a arma, para guardar a pistola dentro do cofre no andar de cima do imóvel.

B.O.C. subiu para guardar a arma, acompanhada de Isabeli. Minutos depois, a família escutou o barulho do tiro e correu para ver o que tinha acontecido, encontrado Isabeli baleada no rosto, já morta e B.O.C. em estado de choque.

A pistola foi encontrada debaixo de um armário, quando no susto e ‘desespero’ B.O.C. teria a jogado no chão.

Ao encontrar a menina baleada e caída no chão do banheiro, M.M.C. teria ligado imediatamente para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para providenciar o socorro. Quando ainda, orientado pelo médico do serviço de resgate, por meio do telefone, o morador tentou massagem cardíaca na vítima.

Outra informação é de que após a morte ninguém pegou na arma. Assim que os investigadores da DHPP chegaram à residência, a família apontou imediatamente a arma caída debaixo do móvel e explicou todas as circunstâncias.

B.O.C. segue ainda sem condições de conversar com a polícia e deve ser ouvida nesta terça-feira (14), após avaliação médica e psicológica, devido ao trauma.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

cuiabano  14.07.20 14h32
A adolescente é menor de idade, então que dizer se atirou sem querer ou por querer não vai acontecer nada, simples assim

Responder

1
0
Celso  14.07.20 08h26
Sem noção já estão dizendo que é culpa do Bolsonaro não tem nem um ano que o presidente assinou o decreto das armas esta adolescente já treina a três anos dentro da minha casa sou eu que ponho uma arma se eu quiser por não é o presidente cada um responda pelas suas atitudes e decisões.

Responder

27
3

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO