22.05.2016 | 07h45


GERAL / AMOR INCONDICIONAL

Veterinário dá dicas para seu cão viver mais e com saúde; veja vídeo

Especialista em animais domésticos de pequeno porte orienta como cuidar do animal, para que não adoeça física e emocionalmente.


DA REDAÇÃO

Quem tem um cãozinho e sente amor por ele certamente vai querer que viva mais tempo do que 8 anos, chegando, quem sabe, aos 20. Esta é a longevidade máxima prevista para um cachorro pela zoologia. Um cão de raça, como o labrador, raramente supera os 24 anos. Um pequeno, como o pinscher, costuma não chegar aos 6 a 7 anos. Só que o animal mais fiel dos domésticos não vive só de amor e afeto, comida e água fresca. É preciso gastar um pouco de dinheiro – não muito - com ele, para que tenha saúde física e emocional e para que também não exponha a família à transmissão de doenças.

Tem que dar banho, em casa ou em pet, uma vez por semana ou de 15 em 15 dias. Se o banho for em casa, somente em dias de sol. No pet, ele ressalta que o pelo seca de imediato e em cada, a pele fica molhada por sete dias e o pelo por 4. 

O médico veterinário André Rezende, cirurgião especialista em animais domésticos de pequeno porte, detalhou, a pedido do , quais são os cuidados que se deve ter, para ampliar a vida de um cachorro. As dicas são de saúde e higiene.

VERMÍFUGOS

Em primeiro lugar, aos 30 dias de vida, segundo o especialista, é preciso dar a primeira dose de vermífugos. Essas doses devem ser repetidas, de 15 em 15 dias, até terminar a vacinação. Depois a cada seis meses, sendo assim, duas vezes ao ano. 

VACINAÇÃO

Quanto à vacina, que se chama V10, porque coíbe dez tipos de enfermidades comuns entre caninos, sendo algumas delas letais, deve ser aplicada com 45 dias de vida. São necessárias quatro doses para ter 100% de eficácia. O veterinário avisa que não adianta deixar de ministrar todas elas, porque não funciona. A segunda dose deve ser aplicada, após espaço de 21 dias e assim sucessivamente. 

As doenças que mais atingem o cachorro são a cinomose, com 70% de óbitos, parvirose (50%) e giardíase (50%). Quer dizer: são bastante letais. Menos a Leishmaniose, enfermidade crônica, que não mata mas enfraquece o animal. Quanto à doença do carrapato, bastante conhecida, o veterinário André Rezende, afirma que não é tão letal e também diz que não tem como preveni-la.

Sinais de que o cachorro não vai bem geralmente são os clássicos mesmo. Não quer comer, fica triste pela casa, apresenta vômito, diarreia.

Outra coisa que mata bastante cães, segundo ele, são os acidentes e tumores, além das agressões. Ele, que é cirurgião, diz que já encontrou pacientes que sofreram maus tratos em situações críticas, tanto é que, por se sentir também responsável por reverter isso, que ele atua junto a organizações não-governamentais, pró-cães e gatos.  

Depois da V10, é hora da antirrábica. Lembrando que a raiva está erradicada no Brasil, então é muito importante, conforme André Rezende, não se esquecer dela, pelo bem da saúde geral dos caninos e humanos.

A V10 e a antirrábica devem ser reforçada uma vez ao ano.

CASTRAÇÃO

Outra orientação dele é: castração. Além acalmar bastantes do animal, no caso de cadelas, reduz as chances de contração de um tumor mamário em 70%, se for feita até o primeiro cio, em 50%, no segundo, e 20% no terceiro.

HIGIENE

Tem que dar banho, em casa ou em pet, uma vez por semana ou de 15 em 15 dias. Se o banho for em casa, somente em dias de sol. No pet, ele ressalta que o pelo seca de imediato e em cada, a pele fica molhada por sete dias e o pelo por 4. “Nem adianta secar com secador de fazer escova, porque não dá certo”, ressalta.

O veterinário diz ainda que é preciso cortas as unhas e fazer limpeza de tártaro, para coibir o mau hálito.

“O banho elimina fundos e bactérias, pulgas carrapatos”, destaca o veterinário. Ele recomenda o uso de sabonete ou shampoo próprios, porque ajudam a combater essas pragas caninas.

Na hora de colocar água, ele recomenda também que a vasilha seja lavada todo dia.

No caso da casa não ter quintal, é preciso tirar uma meia hora por dia a 1 hora e caminhar com o cão.

É! Dá trabalho. Mas se é por amor...pode valer a pena e garantir mais tempo de vida para o cão.

SINTOMAS DE QUE ALGO NÃO VAI BEM

Sinais de que o cachorro não vai bem geralmente são os clássicos mesmo. Não quer comer, fica triste pela casa, apresenta vômito, diarreia.

“Nesses casos, procure de imediato o veterinário”, aconselha Rezende.

RESPEITO AOS ANIMAIS

O veterinário André Rezende fez qualificações profissionais em Portugal.

Na Europa, segundo ele, é diferente a relação da sociedade com os animais. “Tanto tem mais regras, leis, exigências – por exemplo, os donos de cães têm que pagar R$ 15 para registrá-lo – quanto também têm mais respeito aos animais, é cultural”, comenta.

No Brasil, segundo ele, todo mundo tem cachorro, até quem não tem condições de cuidar, seja afetivamente, quanto economicamente.

Tanto é que é comum animais que não passam pelos cuidados com higiene, o que, ainda de acordo com o veterinário, isso não pode acontecer.

VEJA O VÍDEO EM QUE O VETERINÁRIO ENSINA COMO TRATAR DE UM CÃO

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

REMÉDIO POLÊMICO

Você tomaria hidroxicloroquina caso contraísse Covid-19?

Sim. O remédio está no mercado há 70 anos

Não. O remédio não tem comprovação de pesquisa para Covid

Não. Cloroquina é o remédio do Bolsonaro

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO