15.08.2019 | 09h25


GUERRA JUDICIAL

Sindicato quer obrigar Governo a pagar pagar RGA e juros sobre salários parcelados; juíza nega

O pedido do Sisma foi feito à Justiça durante a gestão do ex-governador Pedro Taques (PSBD), para que fossem garantidos os direitos de pagamento dos salários, ou seja, sem parcelamento.


DA REDAÇÃO

O Sindicato dos Servidores da Saúde do Estado de Mato Grosso (Sisma-MT) teve o pedido de tutela de urgência negado, pela juíza Célia Regina Vidotti, da Vara Especial de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, na ultima segunda-feira (12). O Sisma entrou com reivindicações, ainda na gestão do ex-governador Pedro Taques (PSBD), para que fossem garantidos os direitos de pagamento integral dos salários, sem parcelamento, o recebimento de juros devido aos meses que foram escalonados e para que aposentados e pensionistas recebam a Revisão Geral Anual (RGA).

No mês de agosto, a ação teve duas decisões. A primeira foi do juiz Bruno D'Oliveira Marques, que estabeleceu que as partes fossem intimadas e em um prazo de 10 dias, a partir da publicação no Diário Oficial, respondessem. A determinação é do dia 1º agosto, publicada apenas na terça-feira (13).

Seguindo a instrução processual, Célia Vidotti deu a segunda decisão, em que ela indeferiu o pedido de tutela de urgência do sindicato, para julgar questões relativas ao MT Previdência. A magistrada se baseou no artigo primeiro, §3º, da Lei nº 8.437 de 1992, que dispõe ser incabível a concessão de medida liminar contra ato do Poder Público.

O Sisma alega que solicitava que houvesse uma auditoria externa no MT Prev, representados pelo seu presidente, Oscarlino Alves de Arruda Junior, já que o requerimento dos representantes do Sisma não foi respondido pelo Governo de Estado. Solicitavam também, que fosse submetida toda e qualquer matéria ao Conselho da Previdência, se apoiando nos termos do artigo 10 da Lei Complementar 560/2014, assim como aprovar a implantação de um cronograma individualizado de implantação da MT Prev para poderes e órgãos autônomos, sobre o que se refere ao modelo de gestão, previsão e execução orçamentária.

O sindicato ainda queria a apresentação de uma série de documentos para comprovar quem faria parte desse conselho fiscal, incluindo titulares e suplentes, e a respectiva indicação de cada um dos poderes e órgãos com representatividade.

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) apresentou manifestação em que argumenta que a via escolhida para a ação é inadequada. A PGE explica que o processo não se molda no que é previsto no artigo primeiro, da Lei 7.347/85, por não se tratar de direito difuso ou coletivo.

Sendo assim, os autos deveriam ser ordinários e não civis públicos porque o pedido é por apresentação de documento e submissão de matérias ao conselho da Previdência, não se encaixado no que defende a Vara de Ação Civil Pública.

O governo do Estado se manifestou, seguindo a mesma linha, dizendo que o Sisma não goza de legitimidade para iniciar o processo, ou seja, ele não possui nas suas finalidades institucionais a proteção aos bens jurídicos que são tutelados na ação civil pública.

O Executivo ainda apontou que todos os documentos que são solicitados nos autos foram publicados no Diário Oficial ou estão disponíveis no próprio site do MT Prev. Ademais, a auditoria externa já foi realizada em conjunto entre a PGE, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) e a Controladoria Geral do Estado (CGE).











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER