02.12.2018 | 21h45


NO FANTÁSTICO

Piloto que ficou 4 dias na mata após queda de avião desiste de voar

Maicon Semencio contou ao programa global que achou "que iria morrer" enquanto perambulava pela floresta.



O programa Fantástico, da TV Globo, mostrou a impressionante história do piloto Maicon Semencio Esteves, 27 anos, que sobreviveu à queda de um avião agrícola numa região de mata fechada no município de Peixoto de Azevedo (675 km ao Nordeste de Cuiabá).

No programa, que foi ao ar na noite deste domingo (02), o piloto contou como foram os quatro dias perambulando pela floresta até ser resgatado no último dia 7 de novembro.

Maicon explicou, ainda, como conseguiu sair do local do acidente - com rosto, braços e mãos feridos - e chegar até o córrego onde bebeu água e comeu bolachas para sobreviver.

Ele foi encontrado por funcionários de uma fazenda com os olhos cheios de formiga e muito ferido. O piloto diz que, agora, quer ficar perto da família e não vai mais se aventurar em avião (Assista o vídeo aqui).

Dia do acidente

O paranaense saiu de Porto Nacional, no Tocantins, para fazer um translado até Alta Floresta. Durante a viagem parou em Confresa para abastecer, depois, no caminho para Matupá o motor do avião esquentou e o piloto pousou na pista de uma fazenda. Em seguida, ligou para seu chefe relatando os problemas e foi orientado a fazer testes e, caso fossem detectadas outras falhas, era para cancelar a viagem.

Após check-up no avião, o piloto decidiu seguir para Alta Floresta, porém, ao chegar próximo de Peixoto de Azevedo o avião começou a perder altitude devido a uma pane no motor. Na tentativa de pousar, bateu a asa da aeronave em uma árvore e foi parar no meio da floresta. 

O episódio foi presenciado por um agricultor que estava aproximadamente 500 metros do local do acidente.

Maicon pilotava um avião agrícola modelo Neiva EMB-201, matrícula PT-GSH. 

Internação

Desde que foi internado no Hospital 13 de Maio, em Sorriso, Maicon passou vários procedimentos, além de cirurgia de enxerto de pele nos braços. 

O enxerto de pele (procedimento cirúrgico que envolve a remoção da pele de uma área do corpo para transplantá-la para uma área diferente que foi afetada por uma queimadura, ferida ou doença) foi necessário porque nas duas últimas semanas Maicon passou por nove Desbridamentos (remoção de tecidos desvitalizados para preparar a ferida para a cobertura definitiva) para a retirada das peles necrosadas, do rosto e das mãos, por conta das queimaduras de 2º e 3º grau provocadas pelo acidente.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO