10.07.2015 | 07h00


GERAL / NO BALANÇO DO BUSÃO

Pelo menos 10 coletivos 'quebram', por semana, com passageiros em Cuiabá

A estimativa é o Sindicato dos Motoristas, que cobra das empresas concessionárias do setor rigor com os freios, embreagem, para-brisas e super aquecimento.


DA REDAÇÃO

O acidente com o coletivo, que, por falta de freio, desceu sem controle, na manhã desta segunda-feira (6), na praça Maria Taquara, invadindo um ponto de parada e atingindo duas vítimas, chamou a atenção para a manutenção da frota das três empresas, que prestam serviço de transporte urbano em Cuiabá.

Por causa de problemas mecânicos, relativos principalmente a freio, embreagem, condições do para-brisa e super aquecimento, pelo menos 10 ônibus, circulando com passageiros, quebram por semana na capital.

O presidente do Sindicato dos Motoristas de Cuiabá,  Ledevino Conceição, afirma que, por causa de problemas mecânicos, relativos principalmente a freio, embreagem, condições do para-brisa e super aquecimento, pelo menos  10 ônibus, circulando com passageiros, quebram por semana na capital.

A imprensa geralmente noticia quando o caso envolve vítimas. No geral, esse tipo de problema afeta, silenciosamente, a rotina do passageiro, que está indo para o trabalho, médico e outros compromissos.

Segundo ele, os motoristas fazem relatórios de bordo diários e entrega para as empresas – Pantanal, Norte Sul e Integração, concessionárias do setor. “Os carros com problemas ficam na garagem e os reservas saem no lugar. Depois eles voltam a rodar. Agora se fazem gambiarra ou se resolvem o problema a gente não sabe”, diz o sindicalista. “A gente recomenda muito a manutenção da frota, que já está velha”, destaca.

Os carros com problemas ficam na garagem e os reservas saem no lugar. Depois eles voltam a rodar. Agora se fazem gambiarra ou se resolvem o problema a gente não sabe”, diz o sindicalista.

A segurança dos coletivos, conforme Ledevino, não interessa apenas aos motoristas, mas também aos passageiros, que, em um carro lotado, chegam a 200, embora a capacidade seja de 42 pessoas.

O secretário municipal de Trânsito e Transporte de Cuiabá,Thiago França, avalia que o serviço de coletivos da capital é “arcaico e precário” e precisa “ser modernizado”.

Para resolver este outros problemas, o secretário acredita que somente com a abertura do processo licitatório, previsto para agosto, e que deve oxigenar o setor.

Ainda de acordo com o secretário, o processo licitatório ainda estaria atravancado devido “à insegurança jurídica do VLT e a indefinição se vai ter ou não vai ter”.

O secretário orienta os passageiros que tiverem qualquer tipo de problema, com manutenção ou outros, a usarem o aplicativo moovit, lançado pela Prefeitura de Cuiabá em abril deste ano, e que, entre outras funções, é um meio de denunciar insatisfações com o transporte coletivo em tempo real.

No caso do acidente da Maria Taquara, a empresa Integração lamentou o ocorrido e garantiu que o carro envolvido passará por perícia técnica.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Dyego Pereira  11.07.15 09h08
Só quem anda de ônibus sabe o sufoco, são verdadeiras sucatas sujas, bancos quebrados, quando chove é água para todo lado e voce tem que rezar para quebrar pelo caminho, todo dia tem algum estragado, principalmente os da Empresa Norte Sul.

Responder

0
0
Mariah  10.07.15 21h40
SUCATAS !!!!!!

Responder

0
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO