25.05.2015 | 18h00


GREVE É SUSPENSA

Motoristas tentam acordo; se paralisar determinação é que 70% circule

A categoria vai tentar um acordo com o empresariado do setor, às 9 horas, na Justiça do Trabalho. Conforme a liminar judicial, 70% da frota deve estar em circulação entre as 5h30 e 9h; 11h e 14h e 17h e 20h.


DA REDAÇÃO

Os motoristas do transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande suspenderam a greve prevista para começar às 5 horas da manhã desta terça-feira (26), por reajuste salarial e aumento do valor do vale alimentação e da comissão que recebem por fazerem o serviço de cobrador.

Conforme a liminar judicial, 70% da frota deve estar em circulação entre as 5h30 e 9h; 11h e 14h e 17h e 20h.

A categoria vai tentar um acordo com o empresariado do setor, às 9 horas, na Justiça do Trabalho.

Na tarde desta segunda-feira (25), mediante o anúncio da greve, a desembargadora Maria Beatriz Teodoro Gomes, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), atendendo a um pedido da Associação Mato-grossense de Transportes Urbanos (AMTU), determinou que grevistas mantivessem 70% da frota de ônibus em horários de pico.

Conforme a liminar judicial, 70% da frota deve estar em circulação entre as 5h30 e 9h; 11h e 14h e 17h e 20h. Nos demais horários, a determinação impõe o funcionamento de 50%, sobre pena de multa de R$ 30 mil por dia, caso a exigência não seja cumprida.  

Mediante a ordem judicial, a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana informou que faria o papel de agente fiscalizadora, certificando que a liminar seja cumprida durante o período de greve, a fim de que a população não sofra seus efeitos em sua rotina.

Os agentes de trânsito foram orientados a garantir que a determinação seja devidamente cumprida, principalmente nos locais de maior fluxo.

Os agentes de trânsito foram orientados a garantir que a determinação seja devidamente cumprida, principalmente nos locais de maior fluxo, como praças e terminais de ônibus.

O presidente do Sindicato dos Motoristas, Ledevino da Conceição, disse que, se não houver acordo nesta reunião no Judiciário, a categoria deve remarcar a greve e na ocasião irá atender à decisão judicial.

Os motoristas das quatro empresas que operam na Grande Cuiabá, além dos funcionários das diversas empresas de microonibus, querem um aumento salarial de R$ 1.800 para R$ 2 mil, valor assinado em carteira. Pedem ainda um reajuste de R$ 100 para R$ 150 no vale alimentação e de R$ 230 para R$ 250 de comissão a mais, que os motoristas recebem para fazer o serviço que era do cobrador, cargo extinto em 2013.

Os empresários oferecem, por meio de nota pública, 8,34% de reajuste.

Leia mais sobre isso. Clique aqui.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER