18.02.2020 | 16h36


GERAL / BALEADA PELO EX

Morre em MT jovem que havia acordado de morte cerebral; Foram 17 dias na UTI

Karine Souto foi baleada três vezes pelo namorado, que não aceitava o fim do relacionamento com ela. Ele se matou em seguida.


DA REDAÇÃO

Karine Souto, 29 anos, morreu no Pronto-Socorro de Barra do Garças (a 509 km de Cuiabá), no início da tarde desta terça-feira (18, após passar 17 dias internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Ela foi atingida por três tiros efetuados pelo ex-namorado, José Rocha Cardoso, 56 anos, que cometeu suicídio em seguida. O crime aconteceu no dia 1ª de fevereiro.

Karine chegou a ‘ressuscitar’ de um coma e estava apresentando melhoras, conforme relatou o pai da vítima ao na semana passada. ela se debatia muito e por isso precisava ser mantida sedada.

Leia mais: Com morte cerebral constatada, mulher baleada pelo ex se mexe em UTI

A confirmação da morte da vítima foi feita por uma coordenadora da unidade de saúde.

O caso

O crime aconteceu no último sábado 1º de fevereiro. Baltazar Augusto Menezes, 58 anos, cometeu suicídio, com tiro na cabeça, após disparar três vezes contra namorada Karine Souto, 29 anos, no bairro Santa Mônica, em Nova Xavantina (645 km de Cuiabá).

Leia mais: Professor tenta matar ex-namorada e depois atira contra a própria cabeça

Ela foi socorrida e, devido à gravidade dos ferimentos, precisou ser levada para o Hospital Regional do município.

O crime foi motivado pelo fato da vítima não aceitar reatar o relacionamento. De acordo com a ocorrência, testemunhas disseram que Karina estava nos fundos de uma casa conversando com um grupo de amigos, quando Baltazar invadiu o local e começou a discutir com a ex.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO