09.09.2019 | 10h50


DEU NO FANTÁSTICO

Mato Grosso registra maior número de pessoas com hanseníase no país

A Secretaria de Estado de Saúde destacou que no ano passado foram diagnosticas mais de 4 mil pessoas com hanseníase e acredita que o crescimento ocorreu devido à intensificação de ações voltadas para o diagnostico da doença.


DA REDAÇÃO

Mato Grosso é o Estado do país com maior número de pessoas diagnosticas com hanseníase no último ano. Esse foi um dos pontos tratado na matéria exibida neste domingo (08) pelo programa Fantástico, da Rede Globo, sobre a doença e o que está sendo realizado para melhorar o diagnóstico. 

A matéria destacou que nos últimos anos houve aumento de pessoas contaminadas pela hanseníase, doença que atinge a população mais pobre do Brasil. Veja a matéria completa aqui.

“Deve ser uma iniciativa de interesse nacional a realização dessa busca ativa por pacientes que possivelmente estejam contaminados que nesse momento pode até estar transmitindo a doença, mas sequer sabe se estão contaminadas”, disse  o secretário ao programa.

O secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, disse que a busca por pacientes que estejam contaminados pela doença é fundamental para evitar que outros casos sejam registrados. 

“Deve ser uma iniciativa de interesse nacional a realização dessa busca ativa por pacientes que possivelmente estejam contaminados que nesse momento pode até estar transmitindo a doença, mas sequer sabe se estão contaminadas”, disse ao programa.

Ao , a Secretaria de Estado de Saúde (SES) destacou que no ano passado foram diagnosticas mais de quatro mil pessoas com hanseníase em Mato Grosso. Em 2017, a média foi de 80,6. Por nota, a SES disse que acredita que o crescimento ocorreu devido à intensificação de ações voltadas para o diagnostico da doença. 

Na reportagem, o médico Dráuzio Varella explicou que a hanseníase é uma bactéria que causa nos nervos, principalmente das mãos e dos pés, e provoca lesões na pela com perda de sensibilidade. Ele destacou que quando o diagnóstico é feito nas fases iniciais, o tratamento pode levar a cura definitiva.  

Ele ainda desmistificou alguns mitos em relação à doença. Segundo o médico, a contaminação ocorre após longo período de exposição à bactéria. 

Veja a nota da Secretaria de Estado de Saúde (SES) na íntegra:

 

Dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) apontam que, em 2018, o estado registrou uma média de 136,5 novos casos da doença para cada 100.000 habitantes. Isto é, no ano anterior, foram diagnosticadas 4.700 pessoas com hanseníase em Mato Grosso. Em 2017, foram notificados 105,2 casos a cada 100.000 habitantes; em 2016, a média foi de 80,6. A SES-MT credita este crescimento à intensificação de ações voltadas para o diagnóstico da doença, colocadas em prática por meio do Plano Estratégico de Enfrentamento da Hanseníase. 

Apesar dos números crescentes, a pesquisa evidencia que o estado está entre aqueles que registram as menores taxas de pessoas com incapacidades físicas ocasionadas pela doença – fator que indica que os diagnósticos estão sendo majoritariamente realizados em tempo oportuno, antes do surgimento de sequelas.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER